terça-feira, 10 de dezembro de 2013

Medeia Vozes de 19 a 22 na Terreira da Tribo!!!

Para quem ainda não assistiu ao espetáculo Medeia Vozes, esta é a última chance ainda este ano.
Curta temporada, de 19 a 22 de dezembro, às 19h30 na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186). Entrada Franca. Distribuição de senhas a partir das 19h. Mais informações pelo fone: 3028 1358 

Foto: Pedro Isaias Lucas

O espetáculo que parte do mito de Medeia, tem como principal referência o romance homônimo de uma das mais notáveis escritoras alemãs, Christa Wolf.  

Em MEDEIA VOZES, Christa Wolf toma uma versão antiga e desconhecida do mito, rejeitando a efabulação de Eurípedes e a imagem de mãe infanticida que foi imposta à consciência ocidental, concedendo a Medeia a possibilidade de se afirmar como mulher e de revelar como foi vítima das necessidades e dos valores dos homens. Por mais de dois mil anos, Medeia, uma das mais poderosas mulheres da mitologia grega, é acusada de vários crimes, tais como o fratricídio, o infanticídio e o envenenamento de Glauce, mas Christa Wolf vem negar que Medeia tenha cometido algum destes crimes. Apresentando-nos um mito que ficou na memória dos homens e demonstrando-nos a perenidade do mesmo no tempo, Wolf transforma este mito antigo e a sua personagem central na exploração contemporânea do poder. 

Medeia é uma mulher que está na fronteira entre dois sistemas de valor, corporizados respectivamente pela sua terra natal, a Cólquida e pela terra para a qual foge, Corinto. Aqui, Medeia é abandonada pelo marido e as forças que estão no poder manifestam-se contra ela, chegando mesmo à perseguição e banimento.
A partir de “Medeia Vozes” - o quarto espetáculo do Projeto “Raízes do Teatro” que já trabalhou com mitos que resultaram em espetáculos marcantes na trajetória do grupo - a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz dá continuidade a linha de investigação sobre teatro ritual de origem artaudiana e performance contemporânea.

A encenação de MEDEIA VOZES faz parte da vertente que o grupo intitula Teatro de Vivência, onde o espectador é convidado não a assistir a um espetáculo, mas a vivenciá-lo através de seus cinco sentidos, de maneira interativa com os atores, potencializando radicalmente a capacidade transformadora do teatro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário