terça-feira, 23 de fevereiro de 2016

A atuadora Tânia Farias participa nesta semana do V Simpósio Internacional - Reflexões Cênicas Contemporâneas!

A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz está neste momento participando do V Simpósio Internacional  - Reflexões Cênicas Contemporâneas realizado pelo grupo LUME de Campinas.

Hoje (23/02) a Atuadora Tânia Farias apresenta a desmontagem Evocando os Mortos - Poéticas da Experiência juntamente com a atriz Tereza Ralli do grupo Yuyachkani do Peru.

A atividade tem como objetivo problematizar o conceito de desmontagem. Serão apresentados processos criativos que explicitam, num só tempo, uma forma estética que contempla os caminhos da pesquisa do artista, expõe-se os modos de produção, as metodologias e conceitos de suporte da criação. Uma desconstrução de processos artísticos no qual revela-se os conteúdos imbricados no modo de fazer do artista. Desnuda os pontos de partida, seus desvios de rota e sua construção processual.


O Simpósio Internacional Reflexões Cênicas Contemporâneas é um evento integrante da Jornada Internacional Atuação e Presença, que em 2016 encontra-se em sua quinta edição. Esse evento tem como ponto aglutinador a reflexão cênica contemporânea: a partir dessa questão ampla e central, geram-se temas diários de relevância para a discussão cênica na atualidade, com o intuito de balizar e problematizar o debate a partir do foco escolhido.

Fotos: Rafael Saes

“Evocando os mortos – Poéticas da experiência”

A desmontagem “Evocando os mortos – Poéticas da experiência” refaz o caminho do ator na criação de personagens emblemáticos da dramaturgia contemporânea. Constitui um olhar sobre as discussões de Gênero, abordando a violência contra a mulher em suas variantes, questões que passaram a ocupar centralmente o trabalho de criação do grupo Ói Nóis Aqui Traveiz.
Seguindo a linha de investigação sobre teatro ritual de origem artaudiana e performance contemporânea a desmontagem de Tânia Farias propõe um mergulho num fazer teatral onde o trabalho autoral do ator condensa um ato real com um ato simbólico, provocando experiências que dissolvam os limites entre arte e vida e ao mesmo tempo potencializem a reflexão e o autoconhecimento.
Desvelando os processos de criação de diferentes personagens, criadas entre 1999 e 2011 a atriz deixa ver quanto as suas vivências pessoais e do coletivo Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz atravessam os mecanismos de criação. A ativação da memória corporal, fazendo surgir e desaparecer as personagens.
Realizando uma espécie de ritual de evocação de seus mortos para compreensão dos desafios de fazer teatro nos dias de hoje.

A apresentação será no Auditório do Instituto de Artes - IA - UNICAMP - Rua Elis Regina, 50 - Cidade Universitária “Zeferino Vaz”, às 18h30.



Nenhum comentário:

Postar um comentário