IMPERDÍVEL! CALIBAN NA REDENÇÃO

No domingo, dia 26 de agosto, a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz volta a encenar 'Caliban – A Tempestade de Augusto Boal' em Porto Alegre, no Parque da Redenção, às 15 horas, próximo ao Monumento ao Expedicionário. Em caso de chuva a apresentação fica transferida para a segunda-feira, dia 27 no mesmo horário, no Largo Glênio Peres, ao lado do Mercado Público
 
Foto: Pedro Isaias Lucas
 
Em setembro o Ói Nóis Aqui Traveiz estará participando de importantes Festivais de Teatro em diferentes regiões do país: do Festival Internacional Latino Americano de Teatro da Bahia em Salvador, do MIRADA – Festival Ibero-Americano de Artes Cênicas em Santos e Baixada Santista, e do Vigéssimo Festival Isnard Azevedo em Florianópolis, além de apresentações da Desmontagem Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência e Caliban – A Tempestade de Augusto Boal em Campinas e São Paulo em circuíto promovido pelo SESC/SP.

O diretor e dramaturgo Augusto Boal (1931-2009), conhecido mundialmente pelos princípios e as técnicas do Teatro do Oprimido, escreveu a sua versão de “A Tempestade” , afirmando que a peça é uma resposta ao clássico de Shakespeare. Escrita enquanto Boal estava no exílio, em 1974, período em que os movimentos sociais latino-americanos sofriam uma grande derrota frente ao imperialismo estadunidense e eram terrivelmente reprimidos pelas ditaduras civil-militares. Na versão de Boal a história é vista pela perspectiva de Caliban, metáfora dos seres humanos originários da América que foram dizimados e escravizados pelos invasores colonizadores representados pelo personagem Próspero. O duque de Milão é tão perverso quanto os nobres europeus que usurparam o seu poder. Todos representam a violenta dominação colonial e cultural. Sua filha Miranda e o príncipe de Nápoles, Fernando, fazem uma aliança não por amor como na peça de Shakespeare, mas sim por interesses capitalistas. Ariel, o “espírito do ar”, representa o artista alienado, mescla de escravo e mercenário a serviço da ordem constituída. Somente Caliban se revolta até ser finalmente, derrotado. Os vilões permanecem na “ilha tropical” para escraviza-lo. Mesmo escravo, Caliban resiste

 
Foto: Pedro Isaias Lucas
 
A Tribo, sem trair a sua vocação artística, quer com o seu Teatro de Rua instaurar a alegria e a indignação nos seus milhares de espectadores. Como em todo bom teatro político, o público deve perceber que os símbolos da obra remetem à realidade, para despertar neles – emotiva e racionalmente – uma resposta crítica fora da ficção. Para seduzir o público anônimo e passageiro das ruas das cidades, a criação coletiva do Ói Nóis Aqui Traveiz investe em um movimento de cena dinâmico com personagens excêntricos, utilizando adereços e figurinos impactantes com máscaras e bonecos. A narração é toda contagiada pela música, o canto e a dança. Mesclando os movimentos do coro com ações acrobáticas, cenas de humor irreverente e personagens clownescos com uma narrativa épica, “Caliban – A Tempestade de Augusto Boal” reflete alegoricamente a nossa sociedade.