TEM MÚSICA NA TABA! COM ENTRADA FRANCA

Nos dias 14 e 15 de outubro, às 20 horas, com entrada franca, TEM MÚSICA NA TABA! na Terreira da Tribo (rua Santos Dumont, 1186). Na segunda-feira, dia 14 de outubro,  Mariana Stedele, cantora e atuadora da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, convida os amigos Tiago Bra, Ana Clara e Charlotte para cantarem e compartilharem suas composições numa celebração com o público. A terça-feira, dia 15 de outubro, reunirá os grupos musicais Guará e Expresso Livre. As apresentações fazem parte da campanha TERREIRA DA TRIBO EU APOIO!
A Guará é uma alcatéia antropomórfica e musical reunida desde 2017, quando músicos estudantes do curso de Música Popular da UFRGS se encontram e começam a compor juntos. Com uma proposta de antropofagia musical traz um eco tropicalista, misturando ritmos brasileiros com funk americano e rock progressivo/psicodélico. Integrada por Carlo Gianlupi (Bateria), Duda Raupp (Guitarra, teclado e voz), Gabriel Campão (Guitarra e voz), Rodrigo Hirsch (Voz) e Wolf Peters (Ba…

Vida Paixão e Morte do Revolucionário Carlos Marighella em Coimbra

Hoje, dia 17 de maio, a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traviez realiza a segunda apresentação do espetáculo de teatro de rua "O Amargo Santo da Purificação" dentro do projeto "Brasil em Portugal". A apresentação será em Coimbra, às 18h, no Pátio das Escolas no Centro Histórico da Universidade.

Confira abaixo fotos da apresentação realizada em Porto, dia 15 de maio:










 “O Amargo Santo da Purificação – Uma visão Alegórica e Barroca da Vida Paixão e Morte do Revolucionário Carlos Marighella” conta a história deste herói popular, que lutou contra as ditaduras do Estado Novo e do Regime Militar, e que os setores dominantes tentaram banir da cena nacional durante décadas. O espetáculo é um painel dos principais acontecimentos que ocorreram no nosso país no século XX. A dramaturgia elaborada pela Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz parte dos poemas escritos por Carlos Marighella que transformados em canções são o fio condutor da narrativa. Utilizando a plasticidade das máscaras, de elementos da cultura afro-brasileira e figurinos com fortes signos, a encenação cria uma fusão do ritual com o teatro dança. Através de uma estética ‘glauberiana’, o Ói Nóis Aqui Traveiz traz para as ruas da cidade uma abordagem épica das aspirações de liberdade e justiça do povo brasileiro.

Confira o blog do projeto: http://www.anobrasilportugal.blog.br

Fotos de Pedro Isaias Lucas.