TEM MÚSICA NA TABA! COM ENTRADA FRANCA

Nos dias 14 e 15 de outubro, às 20 horas, com entrada franca, TEM MÚSICA NA TABA! na Terreira da Tribo (rua Santos Dumont, 1186). Na segunda-feira, dia 14 de outubro,  Mariana Stedele, cantora e atuadora da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, convida os amigos Tiago Bra, Ana Clara e Charlotte para cantarem e compartilharem suas composições numa celebração com o público. A terça-feira, dia 15 de outubro, reunirá os grupos musicais Guará e Expresso Livre. As apresentações fazem parte da campanha TERREIRA DA TRIBO EU APOIO!
A Guará é uma alcatéia antropomórfica e musical reunida desde 2017, quando músicos estudantes do curso de Música Popular da UFRGS se encontram e começam a compor juntos. Com uma proposta de antropofagia musical traz um eco tropicalista, misturando ritmos brasileiros com funk americano e rock progressivo/psicodélico. Integrada por Carlo Gianlupi (Bateria), Duda Raupp (Guitarra, teclado e voz), Gabriel Campão (Guitarra e voz), Rodrigo Hirsch (Voz) e Wolf Peters (Ba…

"É preciso abrir uma clareira no bosque"

Há exatos 102 anos atrás, nascia na Bahia o homem que iria se tornar o "Inimigo nº1" da ditadura militar. Filho de um operário, imigrante italiano e de uma negra, filha de escravos africanos trazidos do Sudão, ele trouxe no sangue a força, a coragem e a combatividade dos seus antepassados.

Político, Guerrilheiro e Poeta brasileiro, inspirou e inspira até hoje gerações e gerações de seres apaixonados pela vida, que incansavelmente acreditam na possibilidade de um mundo melhor, mais justo, mais igualitário.



Evoééé!
CARLOS MARIGHELLA VIVE!

LIBERDADE

Não ficarei tão só no campo da arte,
e, ânimo firme, sobranceiro e forte,
tudo farei por ti para exaltar-te,
serenamente, alheio à própria sorte.
Para que eu possa um dia contemplar-te
dominadora, em férvido transporte,
direi que és bela e pura em toda parte,
por maior risco em que essa audácia importe.
Queira-te eu tanto, e de tal modo em suma,
que não exista força humana alguma
que esta paixão embriagadora dome.
E que eu por ti, se torturado for,
possa feliz, indiferente à dor,
morrer sorrindo a murmurar teu nome

Carlos Marighella