A Visita do Presidenciável

Claudio Heemann (Zero Hora, 18 de dezembro de 1984) Foi em 1978 que o grupo “Ói Nóis Aqui Traveiz” surgiu num espaço alternativo na Rua Ramiro Barcellos. Pela primeira vez, na história do teatro local, Porto Alegre via experimentação anárquica, contestando, de forma radical, todos os valores burgueses. Era uma proposta revolucionária, de forte conteúdo político. A ruptura com as convenções cênicas do teatro tradicional era procurada através de estilização delirante e onírica. O espetáculo transformava-se num ritual insólito, envolvendo os espectadores. Nudez e agressão ao público faziam parte do tratamento de choque que o grupo utilizou na quebra dos moldes consagrados. O grupo logo passou a atuar nas ruas e interferir espetáculo a dentro nas encenações em cartaz na cidade. Algo como uma guerrilha urbana, o “Ói Nóis Aqui Traveiz” não era apenas um teatro de vanguarda, Quixotescamente repudiava toda a ordem político-social vigente. Era uma filosofia de vida e de ação que se derra

Medeia Vozes de 19 a 22 na Terreira da Tribo!!!

Para quem ainda não assistiu ao espetáculo Medeia Vozes, esta é a última chance ainda este ano.
Curta temporada, de 19 a 22 de dezembro, às 19h30 na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186). Entrada Franca. Distribuição de senhas a partir das 19h. Mais informações pelo fone: 3028 1358 

Foto: Pedro Isaias Lucas

O espetáculo que parte do mito de Medeia, tem como principal referência o romance homônimo de uma das mais notáveis escritoras alemãs, Christa Wolf.  

Em MEDEIA VOZES, Christa Wolf toma uma versão antiga e desconhecida do mito, rejeitando a efabulação de Eurípedes e a imagem de mãe infanticida que foi imposta à consciência ocidental, concedendo a Medeia a possibilidade de se afirmar como mulher e de revelar como foi vítima das necessidades e dos valores dos homens. Por mais de dois mil anos, Medeia, uma das mais poderosas mulheres da mitologia grega, é acusada de vários crimes, tais como o fratricídio, o infanticídio e o envenenamento de Glauce, mas Christa Wolf vem negar que Medeia tenha cometido algum destes crimes. Apresentando-nos um mito que ficou na memória dos homens e demonstrando-nos a perenidade do mesmo no tempo, Wolf transforma este mito antigo e a sua personagem central na exploração contemporânea do poder. 

Medeia é uma mulher que está na fronteira entre dois sistemas de valor, corporizados respectivamente pela sua terra natal, a Cólquida e pela terra para a qual foge, Corinto. Aqui, Medeia é abandonada pelo marido e as forças que estão no poder manifestam-se contra ela, chegando mesmo à perseguição e banimento.
A partir de “Medeia Vozes” - o quarto espetáculo do Projeto “Raízes do Teatro” que já trabalhou com mitos que resultaram em espetáculos marcantes na trajetória do grupo - a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz dá continuidade a linha de investigação sobre teatro ritual de origem artaudiana e performance contemporânea.

A encenação de MEDEIA VOZES faz parte da vertente que o grupo intitula Teatro de Vivência, onde o espectador é convidado não a assistir a um espetáculo, mas a vivenciá-lo através de seus cinco sentidos, de maneira interativa com os atores, potencializando radicalmente a capacidade transformadora do teatro.