Denúncia atualizada de Heiner Muller

Antônio Holfeldt (Jornal do Comércio, 13 de Agosto de 1999) Fotos de Claudio Etges
A estreia de Hamlet Máquina, do dramaturgo alemão contemporâneo Heiner Müller, pelo grupo Ói Nóis Aqui Traveiz, é um acontecimento verdadeiramente ambíguo. A ambiguidade nasce do fato de a montagem desta peça, que consagrou e projetou internacionalmente o dramaturgo da Antiga Alemanha Popular, ser, por certo, uma feliz oportunidade para nosso teatro, mas, por outro lado, comemorando os quinze de localização da Terreira da Tribo, espaço cênico onde o Ói Nóis Aqui Traveiz desenvolve suas pesquisas e interferências na cidade, constitui-se também em seu canto de cisne: ao final de agosto, interrompendo a sua temporada, a Terreira da Tribo fechará suas portas e o Ói Nóis Aqui Traveiz estará na rua, motivado, dentre outras coisas, pela decisão (ambígua) da Prefeitura Municipal de Porto Alegre em se negar a dar qualquer apoio ao grupo.
A ambiguidade é mais significativa, se formos capazes de fazer a correta leitu…

Performance Onde? Ação nº2 no "Dopinha"


No próximo dia 18 de dezembro o Comitê Carlos de Ré da Verdade e da Justiça do Rio Grande do Sul promoverá um ato público no "Dopinha" (rua Santo Antônio, nº 600).
Na década de 60 esta casa funcionou como um centro clandestino de tortura e desaparecimento de pessoas contrárias à ditadura cívico militar.

A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz participa deste ato realizando a performance "Onde? Ação nº2" que trata deste nosso passado recente. A apresentação será às 16h30.

Esse ato objetiva chamar a atenção da população e pressionar os governos estadual, federal e municipal para a criação, ali, do Sítio de Memória Ico Lisboa, um memorial da luta de resistência e reparação dos crimes contra a humanidade.

Foto: Cláudio Etges

Performance “Onde? Ação nº2”

A performance “Onde? Ação nº2” de forma poética provoca reflexões sobre o nosso passado recente e as feridas ainda abertas pela ditadura militar. A ação performática se soma ao movimento de milhares de brasileiros que exigem que o Governo Federal proceda a investigação sobre o paradeiro das vítimas desaparecidas durante o regime militar, identifique e entregue os restos mortais aos seus familiares e aplique efetivamente as punições aos responsáveis. 

Participam da performance: Tânia Farias, Marta Haas, Paula Carvalho, Sandra Steil, Leticia Virtuoso, Leila Carvalho, Mayura de Matos, Paola Mallmann, Keter Velho, Luana da Rocha, Paulo Flores, Clélio Cardoso, Eugênio Barbosa, Roberto Corbo, Jorge Gil e Geison Burgedurf.



O homem deve ser livre...
O amor é que não se detém ante
Nenhum obstáculo, e pode mesmo
existir até quando não se é livre.
E no entanto ele é em si mesmo
a expressão mais elevada do que
houver de mais livre em todas as
gamas do sentimento humano.

É preciso não ter medo,
É preciso ter a coragem de dizer.

Carlos Marighella