A arte de transformar a realidade em poesia | Sebastião Milaré

No barco, sobre as Águas do Guaíba, afastando da Ilha do presídio e vendo as luzes de Porto Alegre às margens, tive a sensação de ver o passo derradeiro de um ritual sagrado. O que vivenciei na Ilha do presídio, ou Ilha das Pedras Brancas, tinha natureza própria ao ato litúrgico, mas era ato teatral. Teatro na acepção da arte que atualiza símbolos no Imaginário do espectador. E liturgia.

Não há contradição, pois no ato litúrgico o oficiante atualiza símbolos no imaginário dos fiéis. E foi isso que vivenciei naquela noite, caminhando pelas ribanceiras escuras, cheias de buracos e pedras, atrás de imagens que conduziam a inesperados ambientes, como as ruínas do antigo presídio ou a uma espécie de jardim de estátuas. Atores e atrizes surgiam da vegetação ou das trevas como gnomos. Ou sacerdotes de mítica seita, em celebração.




E o ritual, animado por cenas evocativas, assumidamente poéticas em atrito com as outras mais definidas e realistas, só terminaria no momento em que o barco apo…

Registro Audiovisual!

Assista abaixo um registro audiovisual sobre a cena da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz.
Clic nas imagens para acessar aos conteúdos!

Viúvas Performance Sobre a Ausência
Criação Coletiva da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz a partir do texto de Ariel Dorfman

Num pequeno povoado nas margens de um rio, mulheres lutam pelo direito de saber onde estão os homens que desapareceram ou foram mortos pela ditadura civil militar que se instalou em seu país.
Uma alegoria sobre o que aconteceu nas últimas décadas na América Latina e a necessidade de manter viva a memória deste tempo de horror, para que não volte a acontecer.
VIÚVAS foi apresentada na Ilha do Presídio - situada entre as cidades de Porto Alegre e Guaíba - nas ruínas do presídio onde foram encarcerados presos políticos no período da ditadura militar no Brasil.

Músicas de Johann Alex de Souza

Fotografia e edição audiovisual de Pedro Isaias Lucas

Foto: Pedro Isaias Lucas
 Documentário Raízes do Teatro

O documentário Raízes do Teatro apresenta um dos principais eixos do trabalho de criação da tribo de atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz. O título do documentário é o nome do projeto criado pelo grupo em 1987 para sistematizar o estudo das origens ritualísticas do teatro. A principal característica dessa metodologia do grupo é o tratamento especial dado aos mitos. Fazem parte do projeto Raízes do Teatro os espetáculos Antígona, Ritos de Paixão e Morte, Missa para Atores e Público sobre a Paixão e o Nascimento do Dr. Fausto de Acordo com o Espírito de Nosso Tempo, Aos Que Virão Depois de Nós -- Kassandra in Process e Medeia Vozes.

Direção: Pedro Isaias Lucas 
   Duração do Trailler: 4 minutos
 Duração do filme: 26 minutos

Foto: Pedro Isaias Lucas