TERREIRA DA TRIBO 37 ANOS DE (R)EXISTÊNCIA

Artigo publicado no Correio do Povo em 11 de setembro de 2021. Fotos de Pedro Isaias Lucas.     No dia 14 de julho de 1984 a Terreira da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz abria as suas portas para o público. Com um show de rock-punk que reuniu as bandas Replicantes e Urubu Rei, entre outras. Logo em seguida o Ói Nóis Aqui Traveiz encenou na nova casa “A Visita do Presidenciável ou Os Morcegos estão Comendo os Abacates Maduros”, uma parábola sobre o momento político que o Brasil vivia, com a saída dos militares de cena e a entrada de um governo civil. E anunciava para toda cidade “...todas as pessoas gostam de cantar, dançar, representar, pintar, fotografar. Qualquer pessoa é capaz de criar e a Terreira da Tribo está aí para isso”. E nesses 37 anos de atividades a Terreira da Tribo abrigou as mais diversas manifestações culturais como espetáculos de teatro, shows musicais, ciclos de filmes e vídeos, seminários, debates, performances e celebrações. Hoje a Terreira é reco

OFICINA POPULAR DE TEATRO NO BAIRRO HUMAITÁ COM PAULO FLORES

Começa neste sábado, dia 5 de julho, a Oficina Popular de Teatro da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz no bairro Humaitá. A Oficina faz parte do Projeto “Teatro Como Instrumento de Discussão Social” que a Tribo desenvolve desde 1988 nos bairros populares da região metropolitana de Porto Alegre. A Oficina será ministrada por Paulo Flores e acontecerá todos os sábados, das 14 às 17 horas, no Centro Cultural Esportivo Ferroviário (Grêmio Esportivo Ferrinho), na Av. Dona Teodora, 1250, na Vila dos Ferroviários, no bairro Humaitá. A Oficina Popular de Teatro é gratuita e aberta a todos interessados a partir dos 15 anos. Informações e inscrições pelos telefones 3286 5720 e 3028 1358.

Foto: Pedro Isaias Lucas*

As Oficinas Populares de Teatro da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz têm como objetivo fomentar a organização de grupos culturais nos bairros. A proposta de trabalho teatral do Projeto Teatro Como Instrumento de Discussão Social segue os fundamentos principais da Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo, que visa à formação de atores-cidadãos com a necessária qualificação para estar a serviço da construção de uma sociedade justa e solidária. Ao longo da oficina, o oficinando/aluno estará passando por um processo programado de desenvolvimento, cuja primeira etapa encontra-se organizada em torno do autoconhecimento (conhecimento do ator), passando, em seguida, para a etapa de reconhecimento (ênfase colocada no trabalho de construção de personagem), para o jogo teatral (ênfase na situação dramática) e, por fim, chegando à elaboração do produto estético: a encenação.


*foto do exercício cênico "O Mercado do Gozo" realizado nesta oficina em 2011, com orientação de Paulo Flores.