ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ 44 ANOS [PARTE 2]

    Com um mês de atividades o Teatro Ói Nóis Aqui Traveiz foi interditado pela Secretaria de Segurança. Aí começou uma longa campanha pela reabertura do teatro. O fechamento agravou a situação econômica do grupo e a saída de alguns dos seus integrantes. Para vencer a crise o grupo buscou outros espaços para encenar o seu espetáculo. Também é o momento em que o grupo começou a compartilhar as suas experiências através de uma oficina de teatro. E é principalmente com os jovens desta oficina que criou a montagem de “A Bicicleta do Condenado”, do espanhol Fernando Arrabal: um preTexto para a reVolta do Ói Nóis Aqui Traveiz. Durante o processo de criação integrantes do grupo foram presos em manifestações contra a ditadura. Essa experiência de repressão e violência foi canalizada para a cena. A reabertura do Teatro trouxe para a encenação uma história de opressão e horror, onde duas pessoas tentam sobreviver em um lugar comandado por uma ordem militar. Se no primeiro espetáculo o público fi

OFICINA POPULAR DE TEATRO NO BAIRRO HUMAITÁ COM PAULO FLORES

Começa neste sábado, dia 5 de julho, a Oficina Popular de Teatro da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz no bairro Humaitá. A Oficina faz parte do Projeto “Teatro Como Instrumento de Discussão Social” que a Tribo desenvolve desde 1988 nos bairros populares da região metropolitana de Porto Alegre. A Oficina será ministrada por Paulo Flores e acontecerá todos os sábados, das 14 às 17 horas, no Centro Cultural Esportivo Ferroviário (Grêmio Esportivo Ferrinho), na Av. Dona Teodora, 1250, na Vila dos Ferroviários, no bairro Humaitá. A Oficina Popular de Teatro é gratuita e aberta a todos interessados a partir dos 15 anos. Informações e inscrições pelos telefones 3286 5720 e 3028 1358.

Foto: Pedro Isaias Lucas*

As Oficinas Populares de Teatro da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz têm como objetivo fomentar a organização de grupos culturais nos bairros. A proposta de trabalho teatral do Projeto Teatro Como Instrumento de Discussão Social segue os fundamentos principais da Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo, que visa à formação de atores-cidadãos com a necessária qualificação para estar a serviço da construção de uma sociedade justa e solidária. Ao longo da oficina, o oficinando/aluno estará passando por um processo programado de desenvolvimento, cuja primeira etapa encontra-se organizada em torno do autoconhecimento (conhecimento do ator), passando, em seguida, para a etapa de reconhecimento (ênfase colocada no trabalho de construção de personagem), para o jogo teatral (ênfase na situação dramática) e, por fim, chegando à elaboração do produto estético: a encenação.


*foto do exercício cênico "O Mercado do Gozo" realizado nesta oficina em 2011, com orientação de Paulo Flores.