TRIBO DE ATUADORES ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ 44 ANOS [PARTE 19]

“Se Não Tem Pão, Comam Bolo!” tem por referência a célebre frase da rainha da França, Maria Antonieta,quando no princípio da Revolução Francesa, pressionada em seu próprio palácio pelo povo que pedia pão, pateticamente perguntou por que não comiam brioches. Encenação popular, esta fábula política recorre ao fato histórico para falar de problemas cotidianos que afligem a maioria dos brasileiros: a fome, a opressão, os desmandos do poder e a corrupção dos políticos. Os personagens são saltimbancos contadores de histórias, que de uma forma satírica e divertida cantam para o povo, nas ruas, o que a sociedade burguesa procura esconder: a luta de classes. 
    “SE NÃO TEM PÃO, COMAM BOLO!” Roteiro e direção : criação coletiva Figurinos : Arlete Cunha Adereços : Zau Figueiredo Música : Rogério Lauda Elenco : Arlete Cunha, Kike Barbosa, Rogério Lauda e Sandra Possani Intérprete em substituição : Vera Parenza Estreia : 14 de fevereiro de 1993 (Espetáculo de rua) TERREIRA DA TRIBO EU APOIO! Você

A dez dias a Tribo performa sobre a ausência em solos Argentinos...


A ação performática “Onde? Ação nº2”, que de forma poética contribui para a discussão sobre os desaparecidos políticos na America Latina está sendo apresentada em diversas províncias da Argentina, através do 9º Circuito Nacional de Teatro.

Em um primeiro momento da performance cada mulher com sua cadeira vazia, realiza seu protesto silencioso, onde a ausência se faz presente. Um olhar mais atento observa que aos poucos vão surgindo mais mulheres e mais cadeiras. Elas encontram-se, e ali, evocam nomes de homens e mulheres que construíram a história do nosso país e que lutaram por um Brasil livre.

Já é sabido que o Brasil ainda está muito atrasado na discussão que diz respeito à preservação da memória e a efetivação da justiça pelos crimes cometidos pelo Estado, durante os anos sangrentos da ditadura militar. Observando as mais diversas cidades por onde a Tribo passou até o momento, percebemos que existe uma reflexão muito mais profunda sobre a verdadeira história do país. Centros de memória espalhados por diversos cantos da cidade, monumentos com nomes dos seus desaparecidos ao alcance do olhar, um país, onde é constante a busca por manter viva a memória destes tenebrosos tempos de autoritarismo e de violação à vida. 

Podemos ver de perto exemplos como o das Madres e Abuelas de Maio que corajosamente perpassaram décadas realizando os seus protestos e ainda hoje contribuem para o resgate da identidade do povo argentino. 

E no Brasil?! Onde? Onde? Onde? Eis a questão que ecoa pelos ares em busca de respostas! Até quando vão manter a História trancada nos porões clandestinos da ditadura?

El otro soy yo! Histórias de vidas que se mesclaram com a história de um continente que tentaram calar, sufocar. Mas que pulsa, grita, se debate. Intensamente!

Confira abaixo imagens da Tribo em Rosario e Santa Rosa de la Pampa:

Rosario - Santa fé
(Clique para ampliar)











Santa Rosa - La Pampa













Fotos: Pedro Rosauro e Eugênio Barbosa.