“VIRAL” NA TERREIRA DA TRIBO DIA 30 DE ABRIL – ÀS 20 HORAS ENTRADA FRANCA

A dramaturgia original de "Viral", escrita por Daniel Colin, apresenta cenas avulsas sobre duas famílias que vão, pouco a pouco, se entrecruzando na narrativa do espetáculo. O texto é verborrágico, irônico, mordaz e perverso, cujas ideias - do dramaturgo e das personagens - alastram-se e disseminam-se como vírus a contaminar a quem as escuta. Daniel Colin elabora a dramaturgia original e interpreta mais de 10 personagens neste trabalho solo, com direção do próprio em parceria com Denis Gosch.


Ficha Técnica
Direção e argumento de texto: Daniel Colin e Denis Gosch Dramaturgia: Daniel Colin Supervisão de dramaturgia: Felipe Vieira de Galisteo Assistente de direção: Juliana Kersting Atuação: Daniel Colin Iluminação: Claudia de Bem Video design: Thais Fernandes Figurino: Daniel Colin Sonoplastia: Daniel Colin e Denis Gosch Design gráfico: Ricardo Zigomático Fotos: Claudio Etges Produção: Daniel Colin Realização: Teatro Sarcáustico
Saiba Mais Sobre o Teatro Sarcáustico O Teatro Sa…

Onde? Ação nº2 - ARGENTINA

Confira as imagens da Performance Onde? Ação nº2 nas províncias de San Juan e Mendoza.

San Juan

A água sabe, a água passou por aí, a água tem curiosidade, quer saber...
       Inunda os ouvidos, inunda teus olhos...

Dentro da boca deposita e leva  as palavras,
desde os lugares mais profundos,  as memórias, a dor vai levar...


Vai levar as histórias pelo rio dos rios, contando e cantando as histórias para  o mar.
Cantará aos vales com a voz de pedra,  a água que a garganta bebe.


A chuva que ele vê,  o barro em que ele anda, a sopa suja que eles comem, o suor que cai.


 E essa outra água,  essa outra água e os ecos da água...
Porque alguns rios são largos e calmos, verdes e suaves.


E alguns são altos e cortantes,  caem desde as montanhas, e o nosso é  um rio, liso, frio e ocre, e nos traz nossos homens.



Sobre as pedras dormidas,  roda até onde esperamos, mas são tantos os homens que desapareceram,
ou foram mortos, tantos que o rio não pode levar.


Mendoza 

Demasiadas histórias, para que o rio as relate,
demasiadas histórias,  assim nos trouxe um dos homens,


e o queimaram, e nos trouxe outro mais,
para que o enterrássemos sobre a colina,  e rodou o corpo, e o carregou.


E o murmurou até que todos os traços ficassem polidos,
e nos encontrou este corpo e o fez um corpo qualquer, e o fez todo corpo.


É meu, é meu, queira Deus que não seja meu.
É meu, é meu, por favor que não seja meu.


É meu, é meu, queira Deus que não seja meu.


É meu, é meu, por favor que não seja meu...

Texto da obra "Viúdas" de Ariel Dorfman
Fotos: Pedro Rosauro