TERREIRA DA TRIBO 37 ANOS DE (R)EXISTÊNCIA

Artigo publicado no Correio do Povo em 11 de setembro de 2021. Fotos de Pedro Isaias Lucas.     No dia 14 de julho de 1984 a Terreira da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz abria as suas portas para o público. Com um show de rock-punk que reuniu as bandas Replicantes e Urubu Rei, entre outras. Logo em seguida o Ói Nóis Aqui Traveiz encenou na nova casa “A Visita do Presidenciável ou Os Morcegos estão Comendo os Abacates Maduros”, uma parábola sobre o momento político que o Brasil vivia, com a saída dos militares de cena e a entrada de um governo civil. E anunciava para toda cidade “...todas as pessoas gostam de cantar, dançar, representar, pintar, fotografar. Qualquer pessoa é capaz de criar e a Terreira da Tribo está aí para isso”. E nesses 37 anos de atividades a Terreira da Tribo abrigou as mais diversas manifestações culturais como espetáculos de teatro, shows musicais, ciclos de filmes e vídeos, seminários, debates, performances e celebrações. Hoje a Terreira é reco

A Tribo participa do Seminário 50 anos do Golpe Militar de 1964 - 50 anos de Impunidade

A atuadora Tânia Farias da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz participa do seminário 50 anos do Golpe Militar de 1964 - 50 anos de Impunidade nesta sexta feira, 14/11, às 16h no Arquivo Público de Porto Alegre (Rua Riachuello, 1031)

Seguindo as atividades desenvolvidas em março de 2014, o Coletivo pela Educação, Memória e Justiça realiza a 2ª edição do Seminário 50 anos do Golpe de 1964: 50 anos de impunidade, que ocorrerá no Auditório do APERS nos dias 12, 13 e 14 de novembro, com apoio do Arquivo Público, do IFCH/UFRGS e do PPG em História/UFRGS.

Confira a programação completa:


Divulgação - Arquivo Público:
http://arquivopublicors.wordpress.com/2014/11/05/apers-sedia-2a-edicao-do-seminario-50-anos-do-golpe-de-1964-50-anos-de-impunidade/