MEDEIA: DO MITO ATÉ MEDEIA VOZES | Jorge Arias

Fotos de Pedro Isaías Lucas Medeia é um dos grandes enigmas da literatura ou, talvez, da história. O primeiro enigma é se existiu uma Medeia, real e histórica, uma mulher de carne e ossos, sobre a qual foi construído um mito, uma lenda, como aconteceu com os heróis lendários de Troia, que realizaram grandes, difíceis e impossíveis façanhas, mas tiveram como base alguma realidade, de alguma forma existiram. Alguns aspectos negam o caráter puramente mítico da história: a viagem dos argonautas até a Cólquida na margem oriental do Mar Negro, em busca do velocino de ouro, está de acordo com as expedições comerciais dos gregos; as intrigas do palácio, como o exílio de Medeia em Corinto, têm uma cor de verdade; e, acima de tudo, a apaixonada controvérsia sobre se ela matou ou não seus filhos. Não se discute ou, ao menos, não é comum discutir o que faz ou não faz uma personagem de ficção.     O segundo enigma é o caráter dela. Medeia é neta de Hélio, sacerdotisa de Hécate, feiticeira, brux

A Tribo conta a história de Carlos Marighella no centro da cidade de São Paulo!

3º dia, quinta feira, 18 de dezembro, o espetáculo de teatro de rua “O Amargo Santo da Purificação - Uma Visão Alegórica e Barroca da Vida, Paixão e Morte do Revolucionário Carlos Marighella” foi encenado na Praça da República – local histórico – considerado um elo entre o chamado "centro velho" e o "centro novo" da cidade de São Paulo. Espaço que também foi palco de muitas manifestações de luta, e ontem foi palco da Mostra Conexões para uma Arte Pública!

A Praça da República conheceu o olhar da Tribo, sobre o século XX no Brasil. O Teatro de Rua, cumprindo o seu papel na tradição oral, levou para as ruas de SP a história de coragem, ousadia e perseverança do revolucionário, poeta e cidadão Carlos Marighella.

Neste dia estiveram com a Tribo, amigos que fazem parte da vertente de teatro de grupo no Brasil. Artistas e grupos de longa trajetória, que desenvolvem uma pesquisa continuada e que movimentam – ainda hoje – a paisagem cultural no país.  

Grupos que como o Ói Nóis, se organizaram de diversas formas para manterem os seus espaços de compartilhamento, e que desenvolvem trabalhos vitais com a sua arte, sendo no centro das grandes cidades, nas periferias, no interior, ou dentro de suas próprias sedes.

Um salve a estas transformadoras e vibrantes conexões! Evoé!

Confira abaixo as fotos da apresentação:







Fotos: Pedro Isaias Lucas