SELECIONADOS I LABORATÓRIO ABERTO COM A TRIBO DE ATUADORES OÍ NÓIS AQUI TRAVEIZ

Ana Rafaely dos Santos Teixeira Bruna Moreira da Silva Bruno Mros Camila Januário de Lima Charlotte Dafol Cristian Lampert David Soares Ouriques Diego Carneiro Eduarda Saraiva Eduardo Spieler Fayola Ferreira Gabriel Coupe Guilherme Paiffer Pelodan Gustavo Moreira Alves Hélio Roberto Oliveira da Silva Iarima Castro Alves Cardoso Janaína Baladão de Aguiar de Azevedo Ketelin Abbady Ketelyn Scrittori Liana Alice Márcio Bueno Dias Matheus Ferreira Barcellos Maria Inês Falcão Natalia Meneguzzi Nicolle Machado Pâmela Fogaça Lopes Raquel Ramos Raul Ribeiro Bezerra Vivian Gabriele Schmitz Samuel de Moraes Pretto

O selecionado precisa confirmar a vaga até no máximo dia 28 de junho, ou sua vaga será disponibilizada para um suplente.
SUPLENTES:
Jeferson Porto Ghenes Raíssa Tonial Raissa Tatiane S. Pereira Fernanda Copatti Tamires Mora Jules Renan Dutra Bemfica

Como informado no material de divulgação é necessário que o selecionado tenha disponibilidade para acompanhar todo o programa (Ofic…

Confira a programação de Hoje (13/12) - Conexões para uma Arte Pública - BH!

O penúltimo dia da Mostra Conexões para uma Arte Pública em BH, conta com a exibição do filme "Viúvas - Performance sobre a Ausência", às 17h, no Instituto Helena Greco (Rua Hermilo Alves, 290 – Sta Tereza) e às  20h, a Mostra Pedagógica da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz apresenta o exercício cênico “Yerma”, na Casa do Beco (Av. Arthur Bernardes, 3876 – Barragem Sta Lúcia).

ENTRADA FRANCA!


O exercício cênico “Yerma” foi elaborado na Oficina Popular de Teatro do Bairro Bom Jesus (situado numa das regiões mais violentas de Porto Alegre) com coordenação de Tânia Farias. “Yerma” foi escrita por Federico García Lorca (1898-1936) em 1934. É uma obra popular de caráter trágico, ambientada em Andaluzia, no início do século XX. Conta a história de um casal que segue, segundo as tradições de sua comunidade, as prescrições cotidianas do casamento. É uma tragédia sobre todos os que não conseguem realizar a sua plenitude vital ou que vêm definhar o seu potencial criativo em razão da ignorância, do preconceito, da repressão ou das forças desencontradas do destino.





O filme “Viúvas, performance sobre a ausência” mostra a encenação homônima realizada na Ilha do Presídio - situada entre as cidades de Porto Alegre e Guaíba - nas ruínas do presídio onde foram encarcerados presos políticos no período da ditadura civil militar no Brasil. O espetáculo faz parte da pesquisa teatral que o grupo vem realizando sobre o imaginário latino-americano e sua história recente. Partindo do texto Viúvas de Ariel Dorfman e Tony Kushner, a Tribo dá continuidade à sua investigação da cena ritual, dentro da vertente do Teatro de Vivência. “Viúvas” mostra mulheres que lutam pelo direito de saber onde estão os homens que desapareceram ou foram mortos pela ditadura civil militar que se instalou em seu país. É uma alegoria sobre o que aconteceu nas últimas décadas na América Latina, e a necessidade de manter viva a memória deste tempo de horror, para que não volte mais a acontecer.