Santos Amargos

Paulo Bio Toledo - (Cavalo Louco Revista de teatro, dezembro de 2009)
[...] O dom de Despertar no passado as centelhas da esperança é um privilégio exclusivo do Historiador convencido de que também os mortos não estarão em segurança se o inimigo vencer. E esse inimigo não tem cessado de vencer.
Walter Benjamin Sobre o conceito da história
Necrofilia é o amor ao futuro Heiner Müller

Fotos de Pedro Isaias Lucas 
Anjos
A famosa metáfora do anjo da história do pensador alemão Walter Benjamin – interpretação poética da pintura Angelus Novus, de Paul Klee – retrata um anjo que observa o passado amontoado de entulho e destroços da civilização, mas não pode parar, é incessamente puxado ao futuro pelos ventos do Progresso.
Heiner Müller reescreve a imagem. Seu anjo olha a frente. Observa o futuro “represado, esmagando seus olhos”, mas a pilha de destroços é mais rápida que ele e o comprimento no instante: entre o passado e o futuro.Imobilizado, esmagado. Até que: “um renovado rufar de pod…

Finalmente dia 15 de dezembro começam as obras para a construção da nova Terreira da Tribo!!!

Em reunião realizada na última semana o Prefeito José Fortunati informou aos integrantes da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz que no próximo dia 15 de dezembro iniciam as obras de construção do Centro Cultural Terreira da Tribo (Rua João Alfredo, 709).  Na reunião estavam presentes os secretários municipais da Cultura e da SMOV. A empresa que venceu a licitação pública para a construção do Centro Cultural Terreira da Tribo foi a 5S Arquitetura e Design. 

Serão mais de 1,7 mil metros quadrados de área construída. Um prédio de três andares que prevê, além do espaço para pesquisa teatral que é própria da Tribo, salas de aula, biblioteca e Centro de Referência do Teatro Popular, sala de exposição, sala de projeção e local para o Acervo da Terreira da Tribo. O projeto é assinado pelos arquitetos Michele Raimann, Genoveva Ost Scherer e Roberto Passos Nehme.



Em março de 2008, ao completar trinta anos de existência, em pleno desenvolvimento do seu trabalho, a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz conquistou junto ao poder público municipal o terreno na Rua João Alfredo nº 709, bairro Cidade Baixa, cedido por comodato para construção de sua sede definitiva. Este sonho começa a se concretizar quando a Prefeitura de Porto Alegre garante junto ao Ministério da Cultura (em convênio assinado em dezembro de 2010), por meio de emendas de parlamentares gaúchos, a verba orçamentária para a construção da primeira etapa do Centro Cultural Terreira da Tribo.