Faca e gesto consequentes

  Antônio Hohlfeldt (Diário do Sul, 22 de dezembro de 1986) Fotos de Isabella Lacerda      Beckett é conhecido por seu niilismo e sua descrença em qualquer valor que ultrapasse a humanidade. Mais do que isso, o grande escritor irlandês desacredita na própria criatura humana, que visualiza como um ser sem caminho e sem lógica, sobrevivendo sem qualquer objetivo na vida, ou, quando os tem, sendo enganado por um falso objetivo (como em “Esperando Godot”, já que o tal Godot, em última análise, jamais virá porque jamais pensou em vir).       No caso de “Fim de Partida”, pode-se dividir a situação dramática em duas abordagens. A mais imediata é exatamente aquela que, em nível de realidade, pode ser desprendida das alusões, nem tão escassas assim, que pontuam todo o texto, talvez um dos primeiros trabalhos literários a abordarem a traumatizante experiência da bomba nuclear dos Estados Unidos em 1945. Pode-se pressupor que há muito aqueles quatro sobrevivem em uma construção quase subterrâ

Finalmente dia 15 de dezembro começam as obras para a construção da nova Terreira da Tribo!!!

Em reunião realizada na última semana o Prefeito José Fortunati informou aos integrantes da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz que no próximo dia 15 de dezembro iniciam as obras de construção do Centro Cultural Terreira da Tribo (Rua João Alfredo, 709).  Na reunião estavam presentes os secretários municipais da Cultura e da SMOV. A empresa que venceu a licitação pública para a construção do Centro Cultural Terreira da Tribo foi a 5S Arquitetura e Design. 

Serão mais de 1,7 mil metros quadrados de área construída. Um prédio de três andares que prevê, além do espaço para pesquisa teatral que é própria da Tribo, salas de aula, biblioteca e Centro de Referência do Teatro Popular, sala de exposição, sala de projeção e local para o Acervo da Terreira da Tribo. O projeto é assinado pelos arquitetos Michele Raimann, Genoveva Ost Scherer e Roberto Passos Nehme.



Em março de 2008, ao completar trinta anos de existência, em pleno desenvolvimento do seu trabalho, a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz conquistou junto ao poder público municipal o terreno na Rua João Alfredo nº 709, bairro Cidade Baixa, cedido por comodato para construção de sua sede definitiva. Este sonho começa a se concretizar quando a Prefeitura de Porto Alegre garante junto ao Ministério da Cultura (em convênio assinado em dezembro de 2010), por meio de emendas de parlamentares gaúchos, a verba orçamentária para a construção da primeira etapa do Centro Cultural Terreira da Tribo.