"Eu, Pessoa e os Outros Eus" Teatro com Entrada Franca Na Terreira da Tribo

"Eu, Pessoa e os Outros Eus" monólogo sobre a vida e obra do poeta português Fernando Pessoa, com o ator Jairo Klein, será encenado nos dias 18 e 19 de novembro, às 20 horas, com entrada franca, na Terreira da Tribo(rua Santos Dumont, 1186). As apresentações fazem parte da campanha TERREIRA DA TRIBO EU APOIO!



                 "Eu, Pessoa e os Outros Eus" é um espetáculo que dá vida e voz à obra literária de Fernando Pessoa, poeta português, e aos seus heterônimos mais conhecidos: Alberto Caeiro (Seu mestre e poeta da natureza; Ricardo Reis (das Odes, clássico, pagão, existencialista radical) e  Álvaro de Campos  (o poeta das sensações). O ator Jairo Klein traz uma dramaturgia visceral na interpretação desse personagem, o qual surgiu após uma pesquisa e performance ao longo de mais de vinte anos. No espetáculo solo vê-se a passagem nítida e múltipla por cada um dos heterônimos mais conhecidos de Fernando Pessoa num jogo dinâmico e vibrante de um perso…

O Amargo Santo da Purificação encerra a Mostra Conexões para uma Arte Pública no Rio de Janeiro – 7/12


Hoje (7/12), às 17h, a Tribo apresenta o espetáculo de Teatro de Rua “O Amargo Santo da Purificação” no Cais do Valongo – Gamboa!!



Para o seu trabalho de pesquisa de Teatro de Rua “O amargo santo da purificação” a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz escolheu a história do revolucionário brasileiro Carlos Marighella, que viveu e morreu durante períodos críticos da história contemporânea do nosso país, sendo protagonista na luta contra as ditaduras do Estado Novo e do Regime Militar. Na sequência de cenas o público assiste momentos importantes desta trajetória: origens na Bahia, juventude, poesia, ditadura do Estado Novo, resistência, prisão, Democracia, Constituinte, clandestinidade, Ditadura Militar, luta armada, morte em emboscada e o resgate histórico, buscando um retrato humano do que foi o Brasil no século XX. É uma história de coragem e ousadia, perseverança e firmeza em todas as convicções. A coerência dos ideais socialistas atravessando uma vida generosa e combatente, de ponta a ponta. Marighella não abdicou ao direito de sonhar com um mundo livre de todas as opressões. Viveu, lutou e morreu por esse sonho.