CINECLUBE DA TERREIRA DA TRIBO COM ENTRADA FRANCA

Nos dias 25 e 26 de novembro, o CineClube da Terreira da Tribo exibe dois filmes da pernambucana Tuca Siqueira - “A Mesa Vermelha”, na segunda-feira, e “Amores de Chumbo”, na terça-feira, às 20 horas, com entrada franca, na Terreira da Tribo (rua Santos Dumont 1186). As exibições fazem parte da campanha TERREIRA DA TRIBO EU APOIO!

 “Terreira da Tribo – Eu Apoio!” é uma campanha de apoio coletivo e permanente que a Tribo lançou na plataforma virtual da Benfeitoria como forma de manutenção do espaço da Terreira que completou 35 anos de existência na cidade de Porto Alegre. Mais informações em www.benfeitoria.com/terreiradatribo.



A Mesa Vermelha”, documentário, exibe depoimentos de 23 ex presos políticos no período da ditadura militar no Recife entre 1969, com a promulgação do AI 5, e 1979, com o advento da Lei da Anistia. Acompanha este documentário o debate entre os participantes,ao redor de uma mesa vermelha,sobre temas relacionados ao período da ditadura passando pelo go…

TÁ NA RUA abre a Mostra Conexões para uma Arte Pública no Rio de Janeiro!!!

Abrindo a Mostra Conexões Para Uma Arte Pública, o Grupo Tá Na Rua apresenta o espetáculo "Natal do Pobres". Hoje (2/12), às 17h, na Cinelândia - RJ

A mostra Conexões para uma arte pública promove o encontro entre grupos teatrais de Porto Alegre, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e São Paulo, grupos esses que mantém espaços artísticos que atuam como pontos de recepção e irradiação de cultura. O projeto, desenvolvido pela Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, de Porto Alegre, recebeu o Fundo de Apoio à Cultura (FAC RS) para a circulação nos espaços e pontos de cultura dos grupos Tá na Rua, do Rio de Janeiro; Pombas Urbanas, de São Paulo; e Casa do Beco, de Belo Horizonte. 


Grupo Tá na Rua (Rio de Janeiro)
Espetáculo “Auto de Natal” – apresentação dia 02 de dezembro, 17h, na Cinelândia

Desde 1980 sob a direção de Amir Haddad, o grupo Tá na Rua se apresenta em praças do centro e da periferia das cidades brasileiras. Sem tablado, sem cenário ou quaisquer recursos técnicos de espetacularidade, o grupo se baseia no contato direto entre a cena e o público, realizando a utopia de unir público e atores na comunhão de uma festa popular. "Venho trabalhando a ideia de que a cidade é por si teatral e dramática e que o teatro está impregnado dessas possibilidades de expressão. Ideia que me leva a procurar eliminar o máximo possível a diferença entre cidadão e artista, e a criar um espaço onde é possível a cidadania se manifestar artisticamente; a buscar não separar uma parte da cidade e colocar dentro de um edifício para que ela esteja ali simbolizada. Mas sim, a pensar toda a cidade como uma possibilidade teatral - ela é o espaço de representação, suas ruas e edifícios são a cenografia e os atores são os cidadãos”, afirma Haddad. “Cremos assim estar juntando o sagrado ao profano e procurando desta maneira tocar o coração do cidadão e despertar nele o sentido de religação das festas e celebrações, devolvendo ao teatro sua função pública social original quente e garantindo para ele um lugar num futuro imprevisível de realidades virtuais frias. Dessa maneira enxergamos o teatro como a possível arte do futuro, a única talvez que estará se mantendo dentro do propósito de fornecer ao ser humano espaço para o seu sentimento gregário e comunitário, contribuindo assim para a construção de uma nova cidade e uma nova sociedade onde as diferenças sociais e culturais poderão ser administradas e o sonho utópico da construção da "Cidade Feliz" possa ser retomado", complementa. 

A Casa do Tá na Rua é uma manifestação teatral abrigada em um casarão histórico da Avenida Mem de Sá em frente à Lapa. Este espaço de lazer cultural é um ponto de encontro de diversas tribos. O Instituto Tá na Rua para as Artes, Educação e Cidadania tornou-se Ponto de Cultura em 2004 e dedica-se à criação artística, à pesquisa de linguagem e ao desenvolvimento de atividades de caráter pedagógico e de promoção da cidadania por meio da cultura.


PROGRAMAÇÃO COMPLETA - RJ:

Rio de Janeiro/ Grupo anfitrião: Tá na Rua

02 de dezembro, terça-feira
17h: Abertura com o espetáculo “Auto de natal”, do Tá na Rua, na Cinelândia

03 de dezembro, quarta-feira
12h: Performance de rua “Onde? Ação nº 2” com o grupo Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz no Largo da Carioca
20h: Desmontagem “Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência” com a atriz Tânia Farias do grupo Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz na Casa do Tá na Rua

04 de dezembro, quinta-feira
17h: Espetáculo de teatro de rua ”O Amargo Santo da Purificação” com o grupo Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz na Praça Tiradentes
20h: Mostra de Oficinas do Ói Nóis Aqui Traveiz – Exercício Cênico “Minha cabeça era uma Marreta” na Casa do Tá na Rua

05 de dezembro, sexta-feira
14h: Workshop “Vivência com o Ói Nóis Aqui Traveiz” na Casa do Tá na Rua

20h: Seminário “Conexões Para Uma Arte Pública” com Amir Haddad, Paulo Flores, Marcelo Palmares e Nil César com mediação de Rosyane Trota na Casa do Tá na Rua

06 de dezembro, sábado
17h: Filme “Viúvas – Performance Sobre a Ausência” e bate-papo sobre o trabalho do Ói Nóis Aqui Traveiz na Casa do Tá na Rua
20h: Mostra de Oficinas do Ói Nóis Aqui Traveiz – Exercício Cênico “Yerma” na Casa do Tá na Rua

07 de dezembro, domingo
17h: Espetáculo de teatro de rua “O Amargo Santo da Purificação” com o grupo Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz no Cais do Valongo (Av. Barão de Tefé, 99 – Gamboa)