A Visita do Presidenciável

Claudio Heemann (Zero Hora, 18 de dezembro de 1984) Foi em 1978 que o grupo “Ói Nóis Aqui Traveiz” surgiu num espaço alternativo na Rua Ramiro Barcellos. Pela primeira vez, na história do teatro local, Porto Alegre via experimentação anárquica, contestando, de forma radical, todos os valores burgueses. Era uma proposta revolucionária, de forte conteúdo político. A ruptura com as convenções cênicas do teatro tradicional era procurada através de estilização delirante e onírica. O espetáculo transformava-se num ritual insólito, envolvendo os espectadores. Nudez e agressão ao público faziam parte do tratamento de choque que o grupo utilizou na quebra dos moldes consagrados. O grupo logo passou a atuar nas ruas e interferir espetáculo a dentro nas encenações em cartaz na cidade. Algo como uma guerrilha urbana, o “Ói Nóis Aqui Traveiz” não era apenas um teatro de vanguarda, Quixotescamente repudiava toda a ordem político-social vigente. Era uma filosofia de vida e de ação que se derra

"Procura-se um corpo - Ação nº3" - Residência Artística Ói Nóis em Petrolina! Confira!

A atuadora Tânia Farias está em Pernambuco desde o dia 7 de março, orientando a residência artística do Ói Nóis Aqui Traveiz dentro do projeto “Experimenta a cena 2015”, com o Núcleo de Teatro do SESC Petrolina.

Compartilhando o processo desta etapa da residência, será apresentado nesta sexta-feira 13 de março, às 18h, na Praça do Bambuzinho, a performance "Procura-se um Corpo - Ação N. 3". 



A ação performática se soma ao movimento de milhares de brasileiros que exigem que o Governo Federal proceda a investigação sobre o paradeiro das vítimas desaparecidas durante o regime militar, identifique e entregue os restos mortais aos seus familiares e aplique efetivamente as punições aos responsáveis.




A performance tem orientação da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, com Núcleo de Teatro do Sesc Petrolina.
Serão realizadas mais duas apresentações no mesmo horário e local nos dias 20 e 27 de março.