A arte de transformar a realidade em poesia | Sebastião Milaré

No barco, sobre as Águas do Guaíba, afastando da Ilha do presídio e vendo as luzes de Porto Alegre às margens, tive a sensação de ver o passo derradeiro de um ritual sagrado. O que vivenciei na Ilha do presídio, ou Ilha das Pedras Brancas, tinha natureza própria ao ato litúrgico, mas era ato teatral. Teatro na acepção da arte que atualiza símbolos no Imaginário do espectador. E liturgia.

Não há contradição, pois no ato litúrgico o oficiante atualiza símbolos no imaginário dos fiéis. E foi isso que vivenciei naquela noite, caminhando pelas ribanceiras escuras, cheias de buracos e pedras, atrás de imagens que conduziam a inesperados ambientes, como as ruínas do antigo presídio ou a uma espécie de jardim de estátuas. Atores e atrizes surgiam da vegetação ou das trevas como gnomos. Ou sacerdotes de mítica seita, em celebração.




E o ritual, animado por cenas evocativas, assumidamente poéticas em atrito com as outras mais definidas e realistas, só terminaria no momento em que o barco apo…

Confira como foi a programação de 37 anos do Ói Nóis Aqui Traveiz!

A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz que na semana passada completou 37 anos de trajetória, realizou uma semana intensa de programação cultural aberta e gratuita a toda cidade!

Confira as fotos das nossas celebrações!

A exibição do filme “Viúvas – Performance sobre a Ausência” no Cine Bancários contou com a presença dos amigos e militantes políticos Enrique Padrós e Suzana Lisboa.


A performance “Onde Ação nº2” foi apresentada na Esquina Democrática nos dias 31 e 1º abril. Mais uma vez, nesta data simbólica, a Tribo foi para ruas questionar a sociedade sobre o paradeiro das vítimas desaparecidas durante o regime militar. ONDE?!

 Os papeizinhos com uma pequena biografia dos nossos homens e mulheres desaparecidos foram espalhados pelas principais ruas do centro da cidade.





Também no dia 1º de abril a Tribo participou de um ato no Palácio da Polícia para marcar os 51 anos do golpe civil-militar. Nesta cerimônia foi inaugurada uma placa que denuncia que aquele, foi um lugar de tortura. Esta ação faz parte do projeto Marcas da Memória. Outras placas foram fixadas, também na Capital, na praça Raul Pilla, onde funcionou a sede da Polícia do Exército, e no prédio do Colégio Paulo da Gama, cujas salas de aula serviram de celas para cerca de 80 brigadianos que se opuseram ao regime militar.




Noite de celebração na Terreira da Tribo e lançamento da Cavalo Louco nº15!!!





O brinde ficou por conta dos parceiros Porto Chopp!



Desmontagem "Evocando os Mortos Poéticas da Experiência" por Tânia Farias. 
Noite vibrante e de compartilhamento!