A arte de transformar a realidade em poesia | Sebastião Milaré

No barco, sobre as Águas do Guaíba, afastando da Ilha do presídio e vendo as luzes de Porto Alegre às margens, tive a sensação de ver o passo derradeiro de um ritual sagrado. O que vivenciei na Ilha do presídio, ou Ilha das Pedras Brancas, tinha natureza própria ao ato litúrgico, mas era ato teatral. Teatro na acepção da arte que atualiza símbolos no Imaginário do espectador. E liturgia.

Não há contradição, pois no ato litúrgico o oficiante atualiza símbolos no imaginário dos fiéis. E foi isso que vivenciei naquela noite, caminhando pelas ribanceiras escuras, cheias de buracos e pedras, atrás de imagens que conduziam a inesperados ambientes, como as ruínas do antigo presídio ou a uma espécie de jardim de estátuas. Atores e atrizes surgiam da vegetação ou das trevas como gnomos. Ou sacerdotes de mítica seita, em celebração.




E o ritual, animado por cenas evocativas, assumidamente poéticas em atrito com as outras mais definidas e realistas, só terminaria no momento em que o barco apo…

Onde? Ação nº4! Vivos os levaram. Vivos os queremos!


A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz se soma a Caravana 43 que neste momento está em Porto Alegre com familiares dos desaparecidos e um estudante sobrevivente pra relatar, denunciar o terrorismo do estado mexicano e exigir, junto com organizações do mundo todo, a volta dos 43 desaparecidos. 

Resignificando a Performance Onde? Ação nº2 que de forma poética provoca reflexões sobre o nosso passado recente e as feridas ainda abertas pela ditadura militar, trazendo o nome dos nossos desaparecidos políticos brasileiros, a Tribo realiza agora a Performance Onde? Ação nº4, onde um a um os nomes dos 43 estudantes mexicanos desaparecido serão evocados nas ruas de Porto Alegre. 

Vivos los llevaron, vivos los queremos!

No México, no Brasil, no mundo... aos presos e presas políticos, aos perseguidos, aos negros, aos oprimidos, aos familiares dos 43 estudantes: tua luta é nossa luta!

O ato performático acontecerá na segunda feira 8/06, às 17h na Esquina Democrática. 




O massacre:
“Primeiro” massacre: Iguala, estado de Guerrero, 26 de setembro de 2014, estudantes da Escuela Rural Normal Isidro Burgos, de Ayotzinapa, vinculados a Federacion de Estudiantes Campesinos Socialistas de Mexico (FECSM), as 20h30, regressavam de uma atividade de arrecadação de fundos para a manife¬tação de 2 de outubro, na Cidade do México, em memória ao massacre de Tlatelolco (1968). 

3 ônibus estavam regressando quando foram atacados pela polícia. Tiros de fuzil, AR-15. O tempo que a polícia levou pra recarregar os fuzis, foi a chance que alguns sobreviventes tiveram para tentar correr, desesperados, sem nenhuma coordenada, depois de testemunhar a chacina de seus companheiros. Estes foram os dois primeiros ônibus.
O terceiro ônibus vinha logo atrás. Depois do massacre dos dois primeiros, a polícia para o terceiro ônibus e manda os estudantes entrarem nas viaturas. Nunca mais voltaram.

“Segundo massacre”: Os estudantes que sobreviveram, por que estavam escondidos nas casas dos moradores de Iguala, saem para tentar resgatar os corpos de seus companheiros, vivos e mortos, em meio a um caldeirão de sangue. Chamam a imprensa e organizações sociais. 00h30 da madrugada do dia 27 chegam caminhonetes e carros de civis armados cuja ordem é “pegar e matar qualquer um que pareça estudante”.

Resultado - assassinados: o motorista do ônibus, um jovem de 14 anos e uma senhora que passavam de taxi, 2 estudantes (Daniel Solis Gallardo e Yosinavi Guerrero). Um com morte cerebral decorrente dos tiros (Aldo Gutierrez) e um que foi arrancado os olhos e pele quando ainda estava vivo (Julio Cesar Mondragon); 25 estudantes feridos e 43 desaparecidos. 43 famílias, há mais de 7 meses, sem saber de seus filhos, sem poder ao menos enterrá-los.

A Caravana:

O objetivo das Caravanas para os estados é dar um fórum internacional para os pais que perderam seus filhos para a violência sistemática e impunidade cometida pelo governo mexicano e sua polícia. Outro objetivo, tão importante é para lançar luz sobre a ligação entre a política externa americana e as condições socioeconômicas e de violência no México desde o financiamento dos EUA equipes e treina militares e da polícia mexicana através do Plano Mérida ou México. 

Mais informações: