Desmontagem Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência

A cidade de Curitiba recebe nos dias 22, 23 e 24 de agosto a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, de Porto Alegre, com a Desmontagem Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência, a Oficina de Vivência com a Tribo e um Debate sobre questões de gênero no teatro brasileiro contemporâneo. O Projeto foi selecionado pelo Programa Petrobras Distribuidora 2017/2018, através da Lei de Incentivo à Cultura. O Programa Petrobras Distribuidora de Cultura é uma seleção pública que tem como objetivo contemplar projetos de circulação de espetáculos teatrais não inéditos, em parceria do Ministério da Cultura. No último edital foram investidos R$ 15 milhões. Ao todo, foram escolhidos 57 espetáculos, representantes de todas as regiões do País, com apresentações em todos os estados.
A programação em Curitiba, com entrada franca, acontecerá no Espaço Obragem (Alameda Júlia da Costa, 204) e tem apoio local do Grupo Obragem de Teatro. Nos dias 22 e 23 de agosto, às 20h, a Tribo encena a Desmontagem Evoc…

Onde? Ação nº4! Vivos os levaram. Vivos os queremos!


A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz se soma a Caravana 43 que neste momento está em Porto Alegre com familiares dos desaparecidos e um estudante sobrevivente pra relatar, denunciar o terrorismo do estado mexicano e exigir, junto com organizações do mundo todo, a volta dos 43 desaparecidos. 

Resignificando a Performance Onde? Ação nº2 que de forma poética provoca reflexões sobre o nosso passado recente e as feridas ainda abertas pela ditadura militar, trazendo o nome dos nossos desaparecidos políticos brasileiros, a Tribo realiza agora a Performance Onde? Ação nº4, onde um a um os nomes dos 43 estudantes mexicanos desaparecido serão evocados nas ruas de Porto Alegre. 

Vivos los llevaron, vivos los queremos!

No México, no Brasil, no mundo... aos presos e presas políticos, aos perseguidos, aos negros, aos oprimidos, aos familiares dos 43 estudantes: tua luta é nossa luta!

O ato performático acontecerá na segunda feira 8/06, às 17h na Esquina Democrática. 




O massacre:
“Primeiro” massacre: Iguala, estado de Guerrero, 26 de setembro de 2014, estudantes da Escuela Rural Normal Isidro Burgos, de Ayotzinapa, vinculados a Federacion de Estudiantes Campesinos Socialistas de Mexico (FECSM), as 20h30, regressavam de uma atividade de arrecadação de fundos para a manife¬tação de 2 de outubro, na Cidade do México, em memória ao massacre de Tlatelolco (1968). 

3 ônibus estavam regressando quando foram atacados pela polícia. Tiros de fuzil, AR-15. O tempo que a polícia levou pra recarregar os fuzis, foi a chance que alguns sobreviventes tiveram para tentar correr, desesperados, sem nenhuma coordenada, depois de testemunhar a chacina de seus companheiros. Estes foram os dois primeiros ônibus.
O terceiro ônibus vinha logo atrás. Depois do massacre dos dois primeiros, a polícia para o terceiro ônibus e manda os estudantes entrarem nas viaturas. Nunca mais voltaram.

“Segundo massacre”: Os estudantes que sobreviveram, por que estavam escondidos nas casas dos moradores de Iguala, saem para tentar resgatar os corpos de seus companheiros, vivos e mortos, em meio a um caldeirão de sangue. Chamam a imprensa e organizações sociais. 00h30 da madrugada do dia 27 chegam caminhonetes e carros de civis armados cuja ordem é “pegar e matar qualquer um que pareça estudante”.

Resultado - assassinados: o motorista do ônibus, um jovem de 14 anos e uma senhora que passavam de taxi, 2 estudantes (Daniel Solis Gallardo e Yosinavi Guerrero). Um com morte cerebral decorrente dos tiros (Aldo Gutierrez) e um que foi arrancado os olhos e pele quando ainda estava vivo (Julio Cesar Mondragon); 25 estudantes feridos e 43 desaparecidos. 43 famílias, há mais de 7 meses, sem saber de seus filhos, sem poder ao menos enterrá-los.

A Caravana:

O objetivo das Caravanas para os estados é dar um fórum internacional para os pais que perderam seus filhos para a violência sistemática e impunidade cometida pelo governo mexicano e sua polícia. Outro objetivo, tão importante é para lançar luz sobre a ligação entre a política externa americana e as condições socioeconômicas e de violência no México desde o financiamento dos EUA equipes e treina militares e da polícia mexicana através do Plano Mérida ou México. 

Mais informações: