TEM MÚSICA NA TABA!Shows musicais voltam com tudo dias 23 e 24 de setembro na Terreira da Tribo!

ENTRADA FRANCA

Nos dias 23 e 24 de setembro a música ocupa a Terreira da Tribo com bandas e músicos da nossa cidade, sempre às 20h e com Entrada Franca (rua Santos Dumont, 1186). "Tem Música na Taba!" faz parte da programação cultural da campanha “Terreira da Tribo – Eu Apoio!”. A Terreira da Tribo que sempre ocupou prédios privados pagando onerosos alugueis se encontra num momento dramático para conseguir viabilizar a sua existência. 


Na segunda-feira dia 23 a música de antigamente tem o ânimo renovado com a proposta do grupo "Volto Pra Te Ver". A banda surge no cenário porto alegrense cantando clássicos do Samba e da MPB, num encontro musical que traz ao público uma sonoridade apurada somada à alegria de jovens amantes da música popular brasileira. O grupo é formado por Mauro Moura (Voz e Cavaco), Alexandre dos Santos (Violão), José Neto (Sopros), Maicon Ouriques e Igor Peres (Percussão). 

Já na terça-feira dia 24 chega ao palco da Terreira da Tribo o músic…

Ói Nóis Aqui Traveiz no Festival "O Mundo Inteiro é um Palco"

A atuadora Tânia Farias da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, participa nesta semana do 3º Festival "O Mundo Inteiro é um Palco", realizado pelo grupo Clowns de Shakespeare, na cidade de Natal - Rio Grande do Norte. 


A atuadora estará realizando um workshop/vivência de três dias e também apresentando a Desmontagem "Evocando os Mortos - Poéticas da Experiência",

Confira a programação completa aqui:
http://www.clowns.com.br/o-mundo-inteiro-e-um-palco-3/





Sobre a Desmontagem “Evocando os mortos – Poéticas da experiência”
Por Tânia Farias

A desmontagem “Evocando os mortos – Poéticas da experiência” refaz o caminho do ator na criação de personagens emblemáticos da dramaturgia contemporânea. Constitui um olhar sobre as discussões de Gênero, abordando a violência contra a mulher em suas variantes, questões que passaram a ocupar centralmente o trabalho de criação do grupo Ói Nóis Aqui Traveiz.
Seguindo a linha de investigação sobre teatro ritual de origem artaudiana e performance contemporânea a desmontagem de Tânia Farias propõe um mergulho num fazer teatral onde o trabalho autoral do ator condensa um ato real com um ato simbólico, provocando experiências que dissolvam os limites entre arte e vida e ao mesmo tempo potencializem a reflexão e o autoconhecimento.
Desvelando os processos de criação de diferentes personagens, criadas entre 1999 e 2011 a atriz deixa ver quanto as suas vivências pessoais e do coletivo Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz atravessam os mecanismos de criação. A ativação da memória corporal, fazendo surgir e desaparecer as personagens.
Realizando uma espécie de ritual de evocação de seus mortos para compreensão dos desafios de fazer teatro nos dias de hoje.