Artistas na Rua Fora Bolsonaro - Porque derrubá-lo é Urgente!

 Culuna de Tânia Farias em Brasil de Fato . Ato Fora Bolsonaro em Porto Alegre: "Há muitas ações sendo gestadas, não sairemos das ruas enquanto não derrubarmos o genocida do poder" - Foto: Mari Martinez A clareza de que Bolsonaro hoje é mais letal que o vírus fez com que perdessem o medo "É preciso estancar essa sangria!!! Um homem sem juízo e sem noção não pode governar essa nação!" Essas são algumas das frases da canção de Zeca Baleiro, entoada pelo movimento Artistas pelo Impeachment, que reúne artistas de todo o país. O clipe “Desgoverno” tem claramente incomodado os ainda apoiadores do governo genocida e corrupto de Bolsonaro, Mourão e os militares. A população, atingida pelo descaso e pela fome, tem saído as ruas. A clareza de que Bolsonaro hoje é mais letal que o vírus fez com que perdessem o medo. Nesse caldo e ação estamos também nós, os artistas e trabalhadores da cultura

Ói Nóis Aqui Traveiz participa do 16º Festival Experimenta Teatro em Rosário (ARG)

A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz participa da 16º edição do “Experimenta Teatro - Encontro Internacional de Grupos” organizado pelo grupo El Rayo Misterioso, em Rosário na Argentina.

Os atuadores Pascal Berten e Tânia Farias estarão ministrando uma oficina/vivência nos dias 8 e 9 de agosto, na sede do grupo El Rayo Misterioso, e no dia 10 (no mesmo local) a atuadora Tânia Farias apresenta a desmontagem “Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência”.

O Festival que acontece de 7 a 13 de agosto conta com uma programação de apresentações, debates, seminários, oficinas e reúne grupos da Alemanha, Brasil, Coreia do Sul, Costa Rica, Espanha, Finlândia e Paraguai. O Grupo El Rayo Misterioso esteve em Porto Alegre na última edição do Festival de Teatro Popular Jogos de Aprendizagem, organizado pela Tribo de atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz.

Mais informações aqui:



DESMONTAGEM: EVOCANDO OS MORTOS – POÉTICAS DA EXPERIÊNCIA

A desmontagem Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência refaz o caminho do ator na criação de personagens emblemáticos da dramaturgia contemporânea. Constitui um olhar sobre as discussões de Gênero, abordando a violência contra a mulher em suas variantes, questões que passaram a ocupar centralmente o trabalho de criação do grupo. Desvelando os processos de criação de diferentes personagens, criadas entre 1999 e 2011, a atuadora Tânia Farias deixa ver quanto as suas vivências pessoais e do coletivo Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz atravessam os mecanismos de criação. Através da ativação da memória corporal, a atriz faz surgir e desaparecer as personagens, realizando uma espécie de ritual de evocação de seus mortos para compreensão dos desafios de fazer teatro nos dias de hoje.

foto: Paula Carvalho