O FAUSTO BRILHANTE

Rafael Baião*E ou toda beleza que não é puramente bela e necessariamente belo a menos que seja (in) completo.- Mas se é espetáculo! Logo é belo (!) (?)- Logu é belo?- Logo não era necessário discutir o belo e o logo nem se fala.- Sem muito belelego vamos ao principal: Vi o FAUSTO da Terreira, pela primeira vez, numa sexta-feira, eu acho, de 1994, setembro. Transa com beleza, a feiúra, a razão, o sentimento. Saí me perguntando se entendi ou não, ou se era claro que tinha entendido. Quis ver de novo e vi. Tinha muita gente, uma plateia receptiva e ágil.  Essa montagem do Grupo ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ é denominada missa (quem quiser, comunga). Conta a história de um sábio, Dr. Fausto, que faz um pacto com o Cujo, a fim de saciar sua sede de conhecimento. Salva-se por sua insatisfação! Tudo que Mephisto oferece – dinheiro, paixões, terras, poderes... – lhe é insuficiente. Ele ultrapassa os limites de seu cúmplice. Não se rende, não se vende; arrepende-se, transforma-se. Tran…

Medeia de Lodz

Foto: Pedro Isaias Lucas


Tem uma velha história
De uma mulher, chamada Medeia
Há mil anos ela chegou
Em uma praia estrangeira.
O homem que a amava
Levou ela pra lá.
Ele disse: Você está em casa
Onde eu estou em casa.

Ela falava outra língua
Que as pessoas de lá
Para leite, pão e amor
Eles tinham outra palavra.
Ela tinha cabelo diferente
E seu caminhar era outro
Nunca se sentiu em casa
A olhavam desconfiados.

O que aconteceu com ela
Conta Eurípedes
Seus coros poderosos cantam
De um julgamento antigo.
Só o vento sopra nas ruínas
Da cidade inóspita
E poeira são as pedras com que
Apedrejaram a estrangeira .

De repente ouvimos falar
Que em nossas cidades
Se vêem Medeias novamente.
Entre bonde e carro e trem
Voltou a velha gritaria
1934
Em nossa Berlim.

Bertolt Brecht
Tradução livre de Pascal Berten


*Medeia hoje, meia noite, RFFSA - Crato
Entra Franca
Distribuição de senhas 30 min. antes do espetáculo.

Mais informações: