Anti-heroína de Pindaíba

Antônio Hohlfeldt (Jornal do Comércio18 de abril de 1997)
Fotos de Adriana Franciosi
Ao completar 19 anos de vida, traída pela Administração Popular que se nega a dar qualquer apoio à  idéia de sua permanência no local em que fez história na cidade, nem por isso a trupe de atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz perde sua fleuma e sua força. Aniversário se faz com festa e festa, para um grupo de teatro, é representar. Foi o que fez o Ói Nóis..., estreando seu novo espetáculo de teatro de rua, A Heroína de Pindaíba.
   Trata-se da adaptação de uma peça de Augusto Boal, dos tempos do seu exílio na Argentina (1975), originalmente intitulada O homem que era uma fábrica. O texto original era uma fábula e, apesar ou justamente por causa das adaptações sofridas, mais fábula e mais farsa ficou ainda o espetáculo que conta a história de Matilda Silva da Silva (o povo brasileiro) que sonha emigrar para os Estados Unidos, deixando Pindaíba (Brasil). Para tanto, e após passar por um sem-número de exigências…

"A Mais Valia Vai Acabar seu Edgar" reestreia neste domingo na Redenção!

Teatro de Rua!

No próximo domingo, 26 de março, às 16 horas, no parque da redenção (PRÓXIMO AO COLÉGIO MILITAR), a Oficina de Teatro de Rua - Arte e Política, da Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo reestreia o exercício cênico “A Mais Valia Vai Acabar seu Edgar”. 


O exercício cênico é uma livre adaptação da peça escrita por Odulvado Vianna Filho, em 1960, “A Mais-Valia Vai Acabar, Seu Edgar!”. O texto apresenta de forma didática e cômica nosso sistema econômico do subdesenvolvimento trazendo para cena “personagens tipos” representando categorias sociais como Os Desgraçados-D1, D2, D3, D4, que são os operários, Os Capitalistas- C1, C2, C3, que são os patrões, personagens que sustentam o sistema como os Economistas, os Feirantes, O Vendedor, e os que também são oprimidos por ele como “Os Barbeiros” e “Anitinhazinha”, entre outros.


No desenrolar, os Desgraçados passam a questionar-se sobre sua situação de explorado e saem em busca de respostas e soluções para melhorar sua condição. Os Capitalistas, através de mentiras e trapaças tentam enganar os desgraçados, usando artifícios apelativos para desvirtuá-los e convencê-los que a felicidade depende deles serem completamente subjugados ao trabalho. Na recusa de submeter-se D4 continua investigando e acaba por descobrir por meio da “teoria da mais-valia” os motivos de serem tão miseráveis enquanto os capitalistas tem tudo o que eles constroem. Isso possibilitará a expansão da consciência dos operários, a organização/mobilização da classe e sua emancipação.

Fotos: Paula Carvalho
O grupo incorpora em sua montagem- nos elementos cênicos, músicas e falas- referência de acontecimentos políticos atuais, buscando contextualizar a nossa realidade na intenção de estimular a reflexão crítica e a atitude contestadora.
Construída forma coletiva, a encenação conta com a coordenação de Paulo Flores e no elenco os atuadores: Aline Ferraz, Arthur Haag, Daniel Steil, Daviana Maite Suárez, Gabriel Salcedo Botelho, Hariagi Borba Nunes, Helen Meieles Sierra, Jana Alichala Faias, Letícia Virtuoso, Lucas Gheller, Mayura Matos, Mariana Maciel Stedele e Tiana Godinho de Azevedo.

A Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo oferece anualmente, de forma aberta e gratuita, oficinas de iniciação teatral, pesquisa de linguagem, formação e treinamento de atores.