A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz em circulação pela Região Sul

De 22 de agosto a 1 de setembro a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, de Porto Alegre, realizará um circuito de apresentações da Desmontagem Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência em cidades da região sul do país. O Projeto foi selecionado pelo Programa Petrobras Distribuidora 2017/2018, através da Lei de Incentivo à Cultura. O Programa Petrobras Distribuidora de Cultura é uma seleção pública que tem como objetivo contemplar projetos de circulação de espetáculos teatrais não inéditos, em parceria do Ministério da Cultura. No último edital foram investidos R$ 15 milhões. Ao todo, foram escolhidos 57 espetáculos, representantes de todas as regiões do País, com apresentações em todos os estados. As cidades de Curitiba no Paraná, Joinville, Blumenau e Joaçaba em Santa Catarina, receberão a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz com a Desmontagem Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência, a Oficina Vivência com a Tribo e um Debate Sobre questões de gênero no teatro brasilei…

O espetáculo "Caliban - A Tempestede de Augusto Boal" chega a Cuiabá nesta sexta feira!

O espetáculo Caliban - A Tempestade de Augusto Boal que está circulando por diversas cidades do Brasil, chega a Cuiabá nesta sexta feira (19/05).

A apresentação que faz parte da programação do Festival Palco Giratório, será às 17h na Orla do Porto (em frante ao Museu do Rio).

Grupo homenageado do 20° Palco Giratório SESC!

Caliban - A Tempestade de Augusto Boal
Por Fábio Prikladnicki/ZH

Para o Ói Nóis Aqui Traveiz, olhar para trás é uma forma de apurar os olhos ao momento presente. Por isso, os espetáculos do grupo gaúcho que completa 39 anos como um dos mais importantes do país frequentemente encenam releituras de mitos e personagens históricos: Medeia, Marighella, Cassandra, Antígona e muitos outros.


Agora é a vez de Caliban, figura de A Tempestade, de William Shakespeare (1564 — 1616), que nas últimas décadas atraiu a atenção de estudiosos interessados na desconstrução do estereótipo dos povos colonizados. Na trama da peça de 1611, Caliban e o espírito Ariel são dominados pelo duque Próspero quando este desembarca em uma ilha com a filha Miranda depois de ser traído pelo irmão Antonio, o qual lhe usurpou o ducado.


Mas o espetáculo de teatro de rua que o Ói Nóis apresenta, não é uma montagem de Shakespeare. É uma releitura de A Tempestade pelas lentes do dramaturgo e teórico brasileiro Augusto Boal (1931 — 2009), que escreveu em 1974 uma peça de mesmo título como resposta ao grande poeta inglês. Enquanto o texto de Shakespeare posiciona o colonizador no centro, o de Boal observa a trama pelos olhos do colonizado, muito inspirado por um célebre estudo sobre Caliban do poeta e ensaísta cubano Roberto Fernández Retamar (a quem Boal dedicou o texto).

O bom observador perceberá que há ainda outra camada de sutileza: o Ói Nóis criou sua própria visão sobre a releitura empreendida por Boal. A personagem Miranda, por exemplo, tem uma personalidade mais forte na montagem. Por isso, o título é singular: Caliban — A Tempestade de Augusto Boal. O atuador Paulo Flores, um dos fundadores do grupo, explica que o interesse pelo tema veio de uma possibilidade de metáfora com a tempestade do presente, em referência à guinada à direita no Brasil e em diferentes partes do globo:


— Tem a ver com o momento dramático, terrível e triste que vivemos no país. Entramos em contato com o texto quando começaram as manifestações pelo impeachment. O Boal escreveu a peça também em um momento de grande derrota para a democracia na América Latina, sob o impacto do golpe no Chile. É o que estamos sofrendo hoje novamente. Mas o sentimento de derrota traz a necessidade de resistir, como faz Caliban.

Embora o Ói Nóis há tempos prestigie o teatro de rua, a escolha do formato para o novo espetáculo tem um motivo claro. Diz respeito a uma necessidade de se dirigir ao maior número de espectadores possível em um momento de urgência. Com a palavra, a atuadora Tânia Farias, que em setembro será homenageada pelo festival Porto Alegre Em Cena com uma biografia na série Gaúchos Em Cena:
— Agora, mais do que nunca, é imprescindível que estejamos ocupando o espaço da rua. Vê no retrocesso que ocorre no Brasil em termos de legislação, os temas em que estamos regredindo, a privatização do espaço público. Tu não imaginas a burocracia que é levar um espetáculo para apresentar na rua. Em alguns lugares do Brasil, é preciso pagar para estar na praça.

O espetáculo foi viabilizado com o Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz e com o Rumos Itaú Cultural (pelo projeto Caliban — Apontamentos sobre o Teatro de Nuestra América), mas os tempos são nebulosos. Devido à crise que afeta o país e estanca o financiamento à cultura, o grupo ainda não conseguiu planejar a comemoração de seus 40 anos, que serão completados em março de 2018.

— Se sempre foi difícil, agora está muito mais difícil — resume Tânia.

Fotos: Pedro Isaias Lucas
Paraty
Matéria publicada no jornal ZH: