A vanguarda gaúcha em ação

Marcelo Marchioro ( O Estado do Paraná, 29 de Junho de 1979)   Para todos aqueles que procuram a renovação de tudo aquilo que está de uma maneira ou outra ligada ao homem, para todos os que são suficientemente abertos para receberem novas idéias e concepções e se colocam contra qualquer tipo de estagnação, para todos os que possuem uma visão ampla e irrestrita do que seja cultura e das várias maneiras pelas quais ela se manifesta, para todos aqueles que são receptivos (se não para gostar, ao menos para analisar) às novas e válidas propostas de trabalho e têm condições de entender o que seja um espetáculo consciente e revitalizador, hoje é o último dia para assistir a “Ensaio Selvagem” às 21 horas no Teatro Universitário de Curitiba, produção do grupo gaúcho “Ói Nóis Aqui Traveiz”.   Em geral, novas propostas ou manifestações de vanguarda (principalmente quando se trata de cultura) sempre são encaradas pelo público com muitas ressalvas, especialmente por aquela grande camada tradi

Palestra com o atuador e fundador da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz Paulo Flores em Cuiabá!

Seguimos viagem pelo circuito “Palco Giratório” e chegamos a Cuiabá. Abrindo as atividades, o atuador e fundador da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, Paulo Flores irá fazer um bate papo sobre a Censura no Teatro Brasileiro durante a Ditadura Militar. 
A atividade é gratuita e será nesta terça feira (16.05), às 18h no SESC Arsenal.

Na foto, Paulo Flores sendo preso com o vereador Marcos Klassmann durante uma manifestação pela Anistia em agosto de 1978.



Sobre a Palestra:
A CENSURA NO TEATRO BRASILEIRO DURANTE A DITADURA MILITAR

A palestra aborda um dos piores momentos da história do teatro brasileiro, devido à repressão e à censura exercidas pelo regime autoritário. No período da ditadura, a partir de 1964, o teatro sofreu grandes perseguições. Em especial dois grupos, o Oficina, em torno de seu diretor José Celso Martinez Corrêa, e o Arena, em torno de Augusto Boal, que se dedicaram a criar uma dramaturgia brasileira e uma nova formação do ator. Extremamente engajados, e invocando o teórico e dramaturgo alemão Bertolt Brecht como nome tutelar, marcariam a história do teatro no país. Essa situação só piorou após a promulgação do Ato Institucional Nº 5 (AI-5) em 1968, que deflagrou o terror de Estado e exterminou aquilo que fora o mais importante ensaio de socialização da cultura jamais havido no país.