SANTO/AMARGO

Quase todo mundo conhece a expressão de Marx: “é preciso mudar o mundo e não interpretá-lo”. Hélio Oiticica vislumbrou uma outra direção: “é preciso que o mundo seja mundo do homem e não mundo do mundo”. A encenação de O Amargo Santo da Purificação, novo trabalho de rua criado pela Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, de Porto Alegre, segue essa mesma vereda, trazendo à agenda um tema – a transformação do mundo – e uma personagem – Carlos Marighella – bem pouco convencionais. A realização, estreada em setembro de 2008, insere-se nas manifestações que recordam os quarenta anos de morte do líder revolucionário brasileiro. Dado o contexto, teríamos todos os elementos para mais uma peça de agitação dos oprimidos, mais um exercício para a retórica coletivista, mais uma encenação épica erigida sobre chavões. Não é o que ocorre. A primeira grande aventura do Ói Nóis foi a de privilegiar os poemas escritos pelo revolucionário e não seus discursos ou textos de militância. O material dramátic…

Lista de selecionados para oficinas do V Festival de Teatro Popular - Jogos de Aprendizagem


Os selecionados deverão comparecer quinze minutos antes do início das oficinas, com uma roupa confortável para a realização de trabalho físico/prático.

Local das oficinas: Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186 - São Geraldo).

Boa oficina a todos! 

Oficina de Criação Teatral - Grupo Malayerba
Oficina teórico-prática -  19, 20 e 21 de junho, das 9h às 12h - Terreira da Tribo



Selecionados:

- Antonella Fernández Pabón
- Cláudia Machado
- Daviana Suarez
- Diandra Tavares
- Elisa Henriques
- Felipe Fiorenza
- João Petrillo
- Julia Elvira Stubrin
- Keter Atácia Velho
- Liana Aice
- Lucas Fiorindo
- Marcel Matiazi
- Márcio Leandro
- María Noelia Reda
- Mariana Stedele
- Mariliza Genesini Tavares,
- Mayura Matos
- Pacha Inca
- Patricia dos Santos Silveira
- Raphael Costa Santos
- Rebeca Menegazzo
- Roberta Millarch
- Sofía Gerboni
- Stella de Miranda
- Vinicius Huggy

O nascimento de um texto teatral até o momento em que é interpretado, considerando a memória e o imaginário do autor e também dos atores é o ponto de partida da oficina do Malayerba. Serão três dias focados nas trocas de aprendizagem, sem julgamento nem hierarquização do conhecimento. É necessário levar roupas confortáveis, para o trabalho corporal e caderno para anotações. O laboratório de criação teatral será conduzido por Gerson Guerra, Arístides Vargas e Charo Francés.


Moçambique, histórias de A a Zinco - Klemente Tsamba
Oficina teórico-prática – 22 e 23 de junho, das 9h às 12h - Terreira da Tribo



Selecionados:

- André de Jesus
- Anildo Böes
- Arthur Côrtes
- Caroline Falero
- Daniel Gustavo Oliveira Gonçalves
- Diandra Tavares
- Échelen Vaz 
- Elisa Henriques
- Fernanda de Lannoy Stürmer
- Gabriel Abrantes Sarturi 
- Keter Atácia Velho
- Liana Alice
- Lucas Fiorindo
- Marcel Matiazi
- Márcio Leandro
- Mariana Stedele
- Natália Meneguzzi
- Pâmela Cassiele
- Rebeca Menegazzo 
- Rita Rosa
- Roberta Millarch

Esta oficina percorre a história de Moçambique desde os Tempos de Gungunhana (1885) até aos dias de hoje, destacando a tradição cultural dos povos do sul, abordando os rituais, as línguas tradicionais, os ritmos, as danças, os cânticos, entre outras. O objetivo é apresentar ao Brasil as várias expressões artísticas ligadas a cultura tradicional moçambicana que são a base do teatro local e, simultaneamente desafiar o público da lusofonia, a identificar pontes em comum, base para um diálogo intercultural positivo. A oficina será dividida em dois momentos: a primeira parte será dedicada a exposição da cultura do sul de Moçambique. Na segunda parte serão desenvolvidos jogos performativos baseados no teatro comunitário africano e apresentados depois em forma de esquetes.