SANTO/AMARGO

Quase todo mundo conhece a expressão de Marx: “é preciso mudar o mundo e não interpretá-lo”. Hélio Oiticica vislumbrou uma outra direção: “é preciso que o mundo seja mundo do homem e não mundo do mundo”. A encenação de O Amargo Santo da Purificação, novo trabalho de rua criado pela Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, de Porto Alegre, segue essa mesma vereda, trazendo à agenda um tema – a transformação do mundo – e uma personagem – Carlos Marighella – bem pouco convencionais. A realização, estreada em setembro de 2008, insere-se nas manifestações que recordam os quarenta anos de morte do líder revolucionário brasileiro. Dado o contexto, teríamos todos os elementos para mais uma peça de agitação dos oprimidos, mais um exercício para a retórica coletivista, mais uma encenação épica erigida sobre chavões. Não é o que ocorre. A primeira grande aventura do Ói Nóis foi a de privilegiar os poemas escritos pelo revolucionário e não seus discursos ou textos de militância. O material dramátic…

A Terreira da Tribo segue aberta há 33 anos em Porto Alegre!

O espaço “Terreira da Tribo”, sede do grupo Ói Nóis Aqui Traveiz, Centro de Experimentação e Pesquisa Cênica e Escola de Teatro Popular está completando neste  14 de julho, 33 anos de existência.

Um salve a este espaço que acolhe os nossos corpos, serve de embrião para os nossos sonhos e mesmo com tantas dificuldades, segue com suas portas abertas há mais de três décadas, realizando a sua arte pública, na luta constante pela democratização do acesso a arte.
Seguimos.  Em movimento, sempre!

Evoé!



"Todas todas todas
Utopias Possíveis
Tudo o que se imaginar
Que quebre este sistema
Que faça mais jorrar do que pingar"!