A vanguarda gaúcha em ação

Marcelo Marchioro ( O Estado do Paraná, 29 de Junho de 1979)   Para todos aqueles que procuram a renovação de tudo aquilo que está de uma maneira ou outra ligada ao homem, para todos os que são suficientemente abertos para receberem novas idéias e concepções e se colocam contra qualquer tipo de estagnação, para todos os que possuem uma visão ampla e irrestrita do que seja cultura e das várias maneiras pelas quais ela se manifesta, para todos aqueles que são receptivos (se não para gostar, ao menos para analisar) às novas e válidas propostas de trabalho e têm condições de entender o que seja um espetáculo consciente e revitalizador, hoje é o último dia para assistir a “Ensaio Selvagem” às 21 horas no Teatro Universitário de Curitiba, produção do grupo gaúcho “Ói Nóis Aqui Traveiz”.   Em geral, novas propostas ou manifestações de vanguarda (principalmente quando se trata de cultura) sempre são encaradas pelo público com muitas ressalvas, especialmente por aquela grande camada tradi

A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz apresenta neste final de semana em Itajaí!

No próximo domingo (22.10) o espetáculo "Caliban - A Tempestade de Augusto Boal" abrirá o 5° Festival Brasileiro de Teatro Toni Cunha, em Itajaí - SC.
Dando continuidade na programação, a atuadora Tânia Farias apresentará na segunda feira (23.10) a desmontagem "Evocando os Mortos - Poéticas da Experiência".
Confira!

Dia 22/10 (domingo) - 17h
na Praça Genésio Miranda Lins - Beira Rio

Espetáculo Convidado de Abertura:
Caliban - A Tempestade de Augusto Boal
Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz - Porto Alegre, RS


Sinopse: Impulsionada pela ideia de que “somos todos Caliban”, a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz quer, com a encenação, analisar criticamente a “tempestade” conservadora que hoje sofre a América Latina, e especialmente o grande retrocesso nos direitos sociais e na luta pela autonomia econômica, política e cultural que vivemos no Brasil. A encenação é criada a partir do texto “A Tempestade” de Augusto Boal, escrita pelo autor no exílio, em 1974, período em que os movimentos sociais latino-americanos sofriam uma grande derrota frente ao imperialismo estado-unidense e eram terrivelmente reprimidos pelas ditaduras civil-militares. A Tribo, sem trair a sua vocação artística, quer com o seu teatro de rua instaurar a alegria e a indignação nos seus milhares de espectadores.

Classificação Indicativa: Livre  - Duração: 90min

Dia 23/10 (segunda) - 21h
no SESC Itajaí

Espetáculo Convidado:
Evocando os mortos – Poéticas da experiência
Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz - Porto Alegre, RS

Fotos: Pedro Isaias Lucas

Sinopse: Desvelando os processos de criação de diferentes personagens, criadas entre 1999 e 2011, a atriz Tânia Farias deixa ver quanto as suas vivências pessoais e do coletivo Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz atravessam os mecanismos de criação. Através da ativação da memória corporal, a atriz faz surgir e desaparecer as personagens, realizando uma espécie de ritual de evocação de seus mortos para compreensão dos desafios de fazer teatro nos dias de hoje.

Classificação Indicativa: 16 anos  - Duração: 60min