DUAS CARTAS PARA MEYERHOLD

  Carta de Henrique Saidel   Fotos de Eugênio Barboza, Lucas Gheller e Pedro Isaias Lucas Porto Alegre, inverno de 2020 Querido Meyerhold, Escrevo esta carta como quem escreve algo de muito importante, como quem escreve algo que lhe causa um tanto de medo e hesitação, como alguém que deseja escrever coisas bonitas, coisas inesquecíveis, inteligentes, coisas revolucionárias, coisas que estejam à altura da tua arte, do teu teatro, da tua vida. Escrevo esta carta depois de ter escrito “Querido Meyerhold”, ali no topo da página, há vários dias e depois de ter ficado vários dias sem escrever mais nada, apenas olhando a página em branco e pensando em todas as coisas bonitas, inesquecíveis, inteligentes e revolucionárias que eu poderia dizer para você e a teu respeito. Escrevo esta carta mais de um ano depois de ter visto (duas vezes) a peça que o Ói Nóis Aqui Traveiz fez com você no título e como personagem, e mais de dezenove ou vinte anos depois de te ler pela primeira v

Palco Giratório 2017 na reta final!

A Tribo de atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz encerra nesta semana em Pernambuco o Circuito Nacional Palco Giratório. Ao todo foram 7 meses de idas e vindas, realizando seminários, workshops, intercâmbios e diversas apresentações. 

Nesta reta final o grupo retorna a Arcoverde, cidade onde encenou Medeia Vozes no ano de 2013 em uma temporada inesquecível, desta vez para apresentar “Caliban – A Tempestade de Augusto Boal”. Após, seguirá para Recife onde além do espetáculo de rua, apresentará também a desmontagem “Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência”.

A Tribo que está em vésperas de completar 40 anos de trajetória foi o grupo homenageado desta edição do Festival. 

Confira abaixo a programação:

ARCOVERDE:

- Dia 18 de novembro, 20h em frente à Estação Cultural: Espetáculo Caliban – A Tempestade de Augusto Boal.

- Dia 19 de novembro, às 14h no SESC Arcoverde: Workshop/vivência com a Tribo.

RECIFE:

- 21 de novembro, 16h no Pátio do Carmo (Sto. Antônio): Espetáculo Caliban – A Tempestade de Augusto Boal.

- 22 de novembro, 19h30, no Teatro Capiba: Desmontagem Evocando os Mortos - Poéticas da Experiência. 

Caliban – A Tempestade de Augusto Boal

Foto: Pedro Isaias Lucas

Impulsionada pela ideia de que ‘somos todos Caliban‘, a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz analisa criticamente a ‘tempestade‘ conservadora que hoje sofre a América Latina, e especialmente o grande retrocesso nos direitos sociais e na luta pela autonomia econômica, política e cultural que vivemos no Brasil. A encenação é criada a partir do texto “A Tempestade” de Boal, escrita pelo autor no exílio, em 1974, período em que os movimentos sociais latino- americanos sofriam uma grande derrota frente ao imperialismo dos EUA e eram terrivelmente reprimidos pelas ditaduras civil-militares. A Tribo, sem trair a sua vocação artística, quer com o seu teatro de rua instaurar a alegria e a indignação nos seus espectadores. 

Desmontagem Evocando os Mortos - Poéticas da Experiência

Foto: Eugênio Barboza

A desmontagem “Evocando os mortos – Poéticas da experiência” refaz o caminho da atriz na criação de personagens emblemáticos da dramaturgia contemporânea. Constitui um olhar sobre as discussões de Gênero, abordando a violência contra a mulher em suas variantes, questões que passaram a ocupar centralmente o trabalho de criação do grupo Ói Nóis Aqui Traveiz. Desvelando os processos de criação de diferentes personagens, a atriz deixa ver quanto as suas vivências pessoais e do coletivo Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz atravessam os mecanismos de criação.

O espetáculo foi contemplado com o Prêmio Funarte de Teatro Myriam Muniz/2015 e faz parte do Projeto Caliban – Apontamentos sobre O Teatro de Nuestra América, selecionado pelo programa Rumos Itaú Cultural, na edição 2015-2016