A arte de transformar a realidade em poesia | Sebastião Milaré

No barco, sobre as Águas do Guaíba, afastando da Ilha do presídio e vendo as luzes de Porto Alegre às margens, tive a sensação de ver o passo derradeiro de um ritual sagrado. O que vivenciei na Ilha do presídio, ou Ilha das Pedras Brancas, tinha natureza própria ao ato litúrgico, mas era ato teatral. Teatro na acepção da arte que atualiza símbolos no Imaginário do espectador. E liturgia.

Não há contradição, pois no ato litúrgico o oficiante atualiza símbolos no imaginário dos fiéis. E foi isso que vivenciei naquela noite, caminhando pelas ribanceiras escuras, cheias de buracos e pedras, atrás de imagens que conduziam a inesperados ambientes, como as ruínas do antigo presídio ou a uma espécie de jardim de estátuas. Atores e atrizes surgiam da vegetação ou das trevas como gnomos. Ou sacerdotes de mítica seita, em celebração.




E o ritual, animado por cenas evocativas, assumidamente poéticas em atrito com as outras mais definidas e realistas, só terminaria no momento em que o barco apo…

SELECIONADOS PARA OFICINA DE TEATRO RITUAL


1. Arthur Loureiro Pereira de Souza
2. Claudia Severo
3.Jonathan Oliveira Ferreira
4. Liana Alice
5. Lucas Gheller Rocha
6. Maíris Fernandes de Souza
7. Marcio Leandro de Lima Vicente
8. Mariana Maciel Stedele
9. Rafael Torres Fernandes
10. Raphael Costa Santos
11. Raquel Amsberg de Almeida
12. Rochelle Luiza da Silveira
13. Rogério Bertoldo Trindade Silva
14. Suelem Lopes de Freitas
15. Tiana Godinho de Azevedo

O primeiro encontro da Oficina de Teatro Ritual será no dia 5 de dezembro de 2017 (próxima terça-feira), às 9 horas na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186).
OBS: Levar roupa confortável para trabalho físico.