Oficina de Teatro de Rua – Arte e Política Na Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo

A Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo/Ponto de Cultura abre inscrições para Oficina de Teatro de Rua – Arte e Política, de 17 a 21 de fevereiro, das 15 às 18 horas, na Terreira da Tribo (rua Santos Dumont, 1186), gratuita e aberta a todos interessados a partir dos 15 anos. Inscrição presencial mediante carta de intenção e currículo. A Oficina acontecerá de 2 de março a 31 de julho, diariamente de segundas a sextas-feiras, das 14 às 18:30 horas, com aulas práticas e teóricas, somando 550 horas/aula. Mais informações pelo telefone 3028 1358 e pelas redes sociais do Ói Nóis Aqui Traveiz.

      A Oficina de Teatro de Rua – Arte e Políticacom a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveizabordará os princípios básicos do teatro político e popular com a perspectiva de que a rua seja palco de um teatro que se assuma como um constante repensar da sociedade, motivando uma releitura da vida cotidiana. Investigará o movimento, o gesto e a voz para a ampliação do corpo do ator e a ocupação do…

Tribo internacional!

Compartilhamos abaixo duas publicações internacionais que abordam diferentes aspectos do trabalho da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz. A primeira é um artigo publicado na Revista The Drama Review, uma revista acadêmica da cidade de Nova York que foi fundada em 1955 e tem como foco o estudo sobre a performance nos seus contextos sociais, econômicos, estéticos e políticos.  



A segunda publicação é o livro “Brazilian Collaborative Theater: Interviews with Directors, Performers and Choreographers Kindle Edition” de Aleksandar Dundjerović  e Luiz Fernando Ramos que reúne 15 entrevistas com diversos pesquisadores, atores e diretores entre eles Paulo Flores (Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz), Zé Celso (Teatro Oficina), Antunes Filho, Gerald Thomas entre outros. Os entrevistados abordam reflexões sobre o processo de teatro colaborativo e descrevem um ambiente criativo coletivo em que os profissionais estão preocupados com questões fundamentais sobre contextos sociais, culturais e artísticos em que as produções são encenadas e o clima interdisciplinar que predominou desde o início da década de 1980.