A Visita do Presidenciável

Claudio Heemann (Zero Hora, 18 de dezembro de 1984) Foi em 1978 que o grupo “Ói Nóis Aqui Traveiz” surgiu num espaço alternativo na Rua Ramiro Barcellos. Pela primeira vez, na história do teatro local, Porto Alegre via experimentação anárquica, contestando, de forma radical, todos os valores burgueses. Era uma proposta revolucionária, de forte conteúdo político. A ruptura com as convenções cênicas do teatro tradicional era procurada através de estilização delirante e onírica. O espetáculo transformava-se num ritual insólito, envolvendo os espectadores. Nudez e agressão ao público faziam parte do tratamento de choque que o grupo utilizou na quebra dos moldes consagrados. O grupo logo passou a atuar nas ruas e interferir espetáculo a dentro nas encenações em cartaz na cidade. Algo como uma guerrilha urbana, o “Ói Nóis Aqui Traveiz” não era apenas um teatro de vanguarda, Quixotescamente repudiava toda a ordem político-social vigente. Era uma filosofia de vida e de ação que se derra

Flores, Pavlovsky e Meyerhold!

Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz  - 40 ANOS


Fotos: Lucas Gheller
No ano em que completa quatro décadas de atividade, o grupo teatral Ói Nóis Aqui Traveiz lança uma campanha de financiamento coletivo para produzir Meierhold, seu novo espetáculo. Com atuação de Paulo Flores, um dos fundadores do coletivo, e Keter Velho, o espetáculo deve estrear no segundo semestre, resgatando a história do grande pensador russo do teatro Vsevolod Emilievich Meyerhold (1874 – 1940), que foi perseguido pelo stalinismo. O trabalho é livremente inspirado na peça Variações Meyerhold (2005), do dramaturgo argentino Eduardo Pavlovsky, morto em 2015. Por meio dos ensinamentos dos três mestres – Meyerhold, Pavlovsky e Flores –, o espetáculo vai propor uma reflexão sobre o atual contexto brasileiro e a posição do artista. 



O financiamento coletivo oferece recompensas para quem contribuir com valores a partir de  R$ 10. 
Para colaborar, acesse catarse.me/meierhold.


A encenação do Ói Nóis Aqui Traveiz é uma adaptação livre da peça “Variações Meierhold” do argentino Eduardo Pavlovsky. “Meierhold” mostra o diretor russo num tempo fora da realidade, póstumo, como um espectro que reflete sobre as injustiças, torturas e boicotes que sofreu por parte do regime stalinista. Ao mesmo tempo, no entanto, esse espectro diz estar na prisão, um velho que tem que suportar torturas diárias 'por um problema estético'. No monólogo estruturado em fragmentos que passam de pensamentos em voz alta a relatos e diálogos imaginários com diferentes interlocutores, Meierhold reclama que até os exercícios de sensibilização do corpo eram questionados pelos guardiões da arte socialista. Coerente com seus princípios, enfrentou, sem jamais se curvar e ceder, a pressão da ditadura stalinista contra a liberdade de criação artística, terminando por cair vítima de sua própria honestidade de artista, da intransigência com que lutou em defesa das suas ideias nos dias sombrios que se abateram sobre a cultura e as artes russas. A encenação e sua própria dinâmica busca perguntar aos espectadores como Meierhold nos afeta e nos comove no Brasil de hoje.