A Casa de Fausto sob o Signo do Cruzeiro do Sul [Parte 3/Final]

Anátema e sagração da primaveraO grupo brasileiro Ói Nóis Aqui Traveiz encena o Fausto de Goethe em Porto AlegrePor Friedrich Dieckmann para a revista alemã Theater Der Zeit
 O princípio do palco simultâneo, que define toda a encenação, repete-se nas cenas de Margarida nas dimensões de um espaço com forma de sala, e o espectador pode escolher os pontos, a partir dos quais ele quer assistir aos acontecimentos; ele pode também mudar de lugar. Nos dois lados estreitos tornam-se presentes duas instâncias polares: num lado, o grupo de imobilidade estatuária, no qual aparecem, ao lado de um sacerdote, um cavaleiro e uma mulher (trata-se de Valentim e da mãe de Margarida), à semelhança de estátuas; no outro lado, a área do jardim com o lago, as pedras e as plantas, que aparece atrás de véus. O lado da igreja estende-se por todo o espaço na forma de figuras de santos (aquelas figuras carregadas da rua para dentro do recinto); a roda de fiar se encontra aqui, em cuja caixa Mefisto deposita o …

A Desmontagem “Evocando os Mortos Poéticas da Experiência” finaliza a circulação pelo RS!!!

A circulação de Evocando os Mortos - Poéticas da Experiência pelo Rio Grande do Sul finaliza com apresentação em Porto Alegre no dia 28 de agosto às 20h Teatro de Arena


Foto Pedro Isaias Lucas


A atuadora Tânia Farias da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz finaliza, em Porto Alegre, a circulação da Desmontagem “Evocando os Mortos - Poéticas da Experiência”, que passou por diversas cidades do Rio Grande do Sul.

Desmontagem” é um conceito relativamente novo no âmbito das artes cênicas, constitui uma análise e desconstrução do próprio trabalho artístico e, ao mesmo tempo, é obra de arte. Tânia Farias é uma das pioneiras dessa pesquisa inovadora no Brasil e tem sido responsável pela disseminação dessa investigação do trabalho de ator em todo o país.

Evocando os Mortos - Poéticas da Experiência” refaz o caminho da atriz na criação de personagens emblemáticos da dramaturgia contemporânea. Esse trabalho constitui um olhar sobre as discussões de gênero, abordando a violência contra a mulher em suas variantes, questões que passaram a ocupar centralmente o trabalho de criação do grupo Ói Nóis Aqui Traveiz. Ao seguir a linha de investigação sobre teatro ritual de origem artaudiana e performance contemporânea, a desmontagem de Tânia Farias propõe um mergulho num fazer teatral onde o trabalho autoral da atriz condensa um ato real com um ato simbólico, provocando experiências que dissolvam os limites entre arte e vida e ao mesmo tempo potencializem a reflexão e o autoconhecimento.

Foto Pedro Isaias Lucas
 

A Circulação RS iniciou em dezembro de 2017 e a primeira cidade contemplada foi Morro Reuter, onde também foi realizada a “Imersão e Vivência com o Ói Nóis Aqui Traveiz”. As outras cidades que fizeram parte do circuito foram Caxias do Sul, Gramado, Viamão, Pelotas, Rosário do Sul, Santa Maria e Alegrete. Este projeto é uma produção da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, realizado com recursos do Fundo de Apoio à Cultura (Pró-Cultura RS FAC), Lei n° 13.490/10. Ao circular por oito cidades gaúchas, ele pretende disseminar essa pesquisa desenvolvida no Rio Grande do Sul, aproximar as cidades do estado através da ação cultural e propiciar um espaço de reflexão e debate sobre a produção do teatro de grupo brasileiro e questões sociais e políticas.


Sobre o projeto realizado: https://www.youtube.com/watch?v=nZ1t1l0Cd50

Desmontagem - Evocando os Mortos - Poéticas da Experiência
Data: 28 de agosto
Horário: 20h
Local: Teatro de Arena (Av. Borges de Medeiros, 220 – Centro – Porto Alegre)
Entrada Franca – distribuição de entradas 30min antes do espetáculo
Mais em: www.oinoisaquitraveiz.com.br / https://www.facebook.com/oinoisaquitraveiz2/

Informações para a imprensa:
Tânia Farias - (51) 3028.8051 e 99999.4570