A arte de transformar a realidade em poesia | Sebastião Milaré

No barco, sobre as Águas do Guaíba, afastando da Ilha do presídio e vendo as luzes de Porto Alegre às margens, tive a sensação de ver o passo derradeiro de um ritual sagrado. O que vivenciei na Ilha do presídio, ou Ilha das Pedras Brancas, tinha natureza própria ao ato litúrgico, mas era ato teatral. Teatro na acepção da arte que atualiza símbolos no Imaginário do espectador. E liturgia.

Não há contradição, pois no ato litúrgico o oficiante atualiza símbolos no imaginário dos fiéis. E foi isso que vivenciei naquela noite, caminhando pelas ribanceiras escuras, cheias de buracos e pedras, atrás de imagens que conduziam a inesperados ambientes, como as ruínas do antigo presídio ou a uma espécie de jardim de estátuas. Atores e atrizes surgiam da vegetação ou das trevas como gnomos. Ou sacerdotes de mítica seita, em celebração.




E o ritual, animado por cenas evocativas, assumidamente poéticas em atrito com as outras mais definidas e realistas, só terminaria no momento em que o barco apo…

A Desmontagem “Evocando os Mortos Poéticas da Experiência” finaliza a circulação pelo RS!!!

A circulação de Evocando os Mortos - Poéticas da Experiência pelo Rio Grande do Sul finaliza com apresentação em Porto Alegre no dia 28 de agosto às 20h Teatro de Arena


Foto Pedro Isaias Lucas


A atuadora Tânia Farias da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz finaliza, em Porto Alegre, a circulação da Desmontagem “Evocando os Mortos - Poéticas da Experiência”, que passou por diversas cidades do Rio Grande do Sul.

Desmontagem” é um conceito relativamente novo no âmbito das artes cênicas, constitui uma análise e desconstrução do próprio trabalho artístico e, ao mesmo tempo, é obra de arte. Tânia Farias é uma das pioneiras dessa pesquisa inovadora no Brasil e tem sido responsável pela disseminação dessa investigação do trabalho de ator em todo o país.

Evocando os Mortos - Poéticas da Experiência” refaz o caminho da atriz na criação de personagens emblemáticos da dramaturgia contemporânea. Esse trabalho constitui um olhar sobre as discussões de gênero, abordando a violência contra a mulher em suas variantes, questões que passaram a ocupar centralmente o trabalho de criação do grupo Ói Nóis Aqui Traveiz. Ao seguir a linha de investigação sobre teatro ritual de origem artaudiana e performance contemporânea, a desmontagem de Tânia Farias propõe um mergulho num fazer teatral onde o trabalho autoral da atriz condensa um ato real com um ato simbólico, provocando experiências que dissolvam os limites entre arte e vida e ao mesmo tempo potencializem a reflexão e o autoconhecimento.

Foto Pedro Isaias Lucas
 

A Circulação RS iniciou em dezembro de 2017 e a primeira cidade contemplada foi Morro Reuter, onde também foi realizada a “Imersão e Vivência com o Ói Nóis Aqui Traveiz”. As outras cidades que fizeram parte do circuito foram Caxias do Sul, Gramado, Viamão, Pelotas, Rosário do Sul, Santa Maria e Alegrete. Este projeto é uma produção da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, realizado com recursos do Fundo de Apoio à Cultura (Pró-Cultura RS FAC), Lei n° 13.490/10. Ao circular por oito cidades gaúchas, ele pretende disseminar essa pesquisa desenvolvida no Rio Grande do Sul, aproximar as cidades do estado através da ação cultural e propiciar um espaço de reflexão e debate sobre a produção do teatro de grupo brasileiro e questões sociais e políticas.


Sobre o projeto realizado: https://www.youtube.com/watch?v=nZ1t1l0Cd50

Desmontagem - Evocando os Mortos - Poéticas da Experiência
Data: 28 de agosto
Horário: 20h
Local: Teatro de Arena (Av. Borges de Medeiros, 220 – Centro – Porto Alegre)
Entrada Franca – distribuição de entradas 30min antes do espetáculo
Mais em: www.oinoisaquitraveiz.com.br / https://www.facebook.com/oinoisaquitraveiz2/

Informações para a imprensa:
Tânia Farias - (51) 3028.8051 e 99999.4570