Denúncia atualizada de Heiner Muller

Antônio Holfeldt (Jornal do Comércio, 13 de Agosto de 1999) Fotos de Claudio Etges
A estreia de Hamlet Máquina, do dramaturgo alemão contemporâneo Heiner Müller, pelo grupo Ói Nóis Aqui Traveiz, é um acontecimento verdadeiramente ambíguo. A ambiguidade nasce do fato de a montagem desta peça, que consagrou e projetou internacionalmente o dramaturgo da Antiga Alemanha Popular, ser, por certo, uma feliz oportunidade para nosso teatro, mas, por outro lado, comemorando os quinze de localização da Terreira da Tribo, espaço cênico onde o Ói Nóis Aqui Traveiz desenvolve suas pesquisas e interferências na cidade, constitui-se também em seu canto de cisne: ao final de agosto, interrompendo a sua temporada, a Terreira da Tribo fechará suas portas e o Ói Nóis Aqui Traveiz estará na rua, motivado, dentre outras coisas, pela decisão (ambígua) da Prefeitura Municipal de Porto Alegre em se negar a dar qualquer apoio ao grupo.
A ambiguidade é mais significativa, se formos capazes de fazer a correta leitu…

ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ NO NORDESTE

A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz volta ao Nordeste para participar da 10ª Edição do Festival de Teatro Lusófono que acontece em São Luís do Maranhão e Teresina no Piauí neste final de agosto. A Tribo encena 'Desmontagem : Evocando os Mortos - Poéticas da Experiência' no dia 18 no Casarão da Pequena Companhia em São Luís, e no dia 21 no Teatro Estação em Teresina.

Foto: Pedro Isaias Lucas



O Festival de Teatro Lusófono é organizado pelo Grupo Harém Teatro, e reúne grupos de diferentes países de língua portuguesa, inundando de teatro praças, ruas e casas de espetáculos de Teresina e São Luís. Na edição deste ano além do Brasil estarão presentes grupos de Portugal, Cabo Verde e Moçambique. Estão programados dezesseis espetáculos representando o mundo lusófono. 
 
Foto: Pedro Isaias Lucas
A Desmontagem do Ói Nóis Aqui Traveiz refaz a trajetória da atuadora Tânia Farias na criação de personagens emblemáticos da dramaturgia contemporânea. Constitui um olhar sobre as discussões de Gênero, abordando a violência contra a mulher em suas variantes, questões que passaram a ocupar centralmente o trabalho de criação da Tribo. Desvelando os processos cênicos de diferentes personagens, criadas entre 1999 e 2011, Tânia Farias deixa ver quanto as suas vivências pessoais e do coletivo Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz atravessam os mecanismos de criação. Através da ativação da memória corporal, a atriz faz surgir e desaparecer as personagens, realizando uma espécie de ritual de evocação de seus mortos para compreensão dos desafios de fazer teatro nos dias de hoje. Tânia Farias revisita os processos de criação que deram sopro a três papeis femininos e um masculino. Em ordem cronológica: Ófelia em Hamlet Máquina (1999), a partir da peça homônima do alemão Heiner Müller; Kassandra em Aos Que Virão Depois de Nós – Kassandra In Process (2002), a partir da novela Cassandra, da alemã Christa Wolf; Sasportas em A Missão – Lembrança de uma Revolução (2006), novamente a partir de texto de Müller; e Sophia em Viúvas – Performance sobre a ausência (2011), a partir de peça e da novela Viudas, do chileno Ariel Dorfman. A 'Desmontagem : Evocando os Mortos - Poéticas da Experiência' já se apresentou em diversas cidades brasileiras e participou de festivais internacionais em Cuba e na Argentina.