Teatro e vivência de crise

Claudio Heemann (Zero Hora, 10 de abril de 1989) 
Em 1978 o grupo de teatro experimental Ói Nóis Aqui Traveiz surgiu em Porto Alegre conduzido por Paulo Flores. Sua proposta diferia de tudo quanto o teatro da cidade tinha praticado até então. Apresentava uma atitude radical de repúdio às convenções estabelecidas. Abolia o palco e derramava-se no cotidiano dos espectadores. Realizava uma procura de rompimento com a linguagem e a postura tradicionais. O grupo surgiu num espaço próprio e alternativo, uma garagem que tinha sido boate. Logo fez-se notar pelo inconformismo, o ímpeto revolucionário e anárquico e as intenções devastadoras. Usou técnicas de choque para tratar temas sociais, influir em acontecimentos do dia e romper com os lugares comuns do teatro burguês.No espaço cênico ou fora dele, ou na transformação de qualquer lugar em espaço cênico, o Ói Nóis Aqui Traveiz levava suas convicções para fora do momento da representação. Representando suas ideias em qualquer lugar ou instânci…

TEATRO RITUAL OFICINA COM A TRIBO DE ATUADORES ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ


A Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo abre inscrições para a Oficina de Teatro Ritual (Módulo II) com a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz. A Oficina é aberta e gratuita para atrizes, atores, pesquisadores e estudantes de artes cênicas, e acontecerá de 28 de janeiro a 25 de abril, de segundas a quintas-feiras, das 9 às 13 horas, na Terreira da Tribo. As inscrições são presenciais na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186 - fone 3028 1358), de 14 a 18 de janeiro, das 9 às 13 horas.

A Oficina de Teatro Ritual investigará os recursos expressivos do ator a partir do treinamento sobre as ações físicas. Tendo como base o pensamento de Antonin Artaud e o trabalho prático de Stanislavsky, Meierhold, Grotowski e Eugenio Barba.  As ações físicas ou o gesto orgânico é meio privilegiado para encontrar o fluxo de vida do ator. A potência transformadora evocada por meio do Teatro Ritual gera momentos de máxima intensidade que rompem com nosso modo usual de perceber, entender e agir no mundo. No Teatro Ritual entra-se em outra dimensão de tempo e espaço, fora do tempo cotidiano, instaurando no público uma dilatação da sua percepção. O Teatro de Vivência da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz procura uma forma de relação aberta e sincera com o público, em que atores e espectadores partilhem de uma experiência comum, que tenha a intensidade de um acontecimento, capaz de produzir novas formas de percepção da realidade.

A Terreira da Tribo acredita na importância da função social do artista, e pretende que essa formação favoreça a emergência do artista competente não apenas no seu ofício, mas também preocupado com o seu desempenho como cidadão. A Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo dentro da sua proposta de trabalho realiza anualmente seminários, ciclos de debates e oficinas de iniciação teatral, formação, pesquisa de linguagem e treinamento do ator.