TERREIRA DA TRIBO 37 ANOS DE (R)EXISTÊNCIA

Artigo publicado no Correio do Povo em 11 de setembro de 2021. Fotos de Pedro Isaias Lucas.     No dia 14 de julho de 1984 a Terreira da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz abria as suas portas para o público. Com um show de rock-punk que reuniu as bandas Replicantes e Urubu Rei, entre outras. Logo em seguida o Ói Nóis Aqui Traveiz encenou na nova casa “A Visita do Presidenciável ou Os Morcegos estão Comendo os Abacates Maduros”, uma parábola sobre o momento político que o Brasil vivia, com a saída dos militares de cena e a entrada de um governo civil. E anunciava para toda cidade “...todas as pessoas gostam de cantar, dançar, representar, pintar, fotografar. Qualquer pessoa é capaz de criar e a Terreira da Tribo está aí para isso”. E nesses 37 anos de atividades a Terreira da Tribo abrigou as mais diversas manifestações culturais como espetáculos de teatro, shows musicais, ciclos de filmes e vídeos, seminários, debates, performances e celebrações. Hoje a Terreira é reco

Apresentação gratuita do espetáculo "Poeira" do Grupo Ninho de Teatro na Terreira da Tribo

Dia 09 de fevereiro (sábado) às 19:30 a Terreira da Tribo será palco para a encenação de "Poeira" do "Grupo Ninho de Teatro" do Crato (CE). A passagem do Grupo Ninho de Teatro por Porto Alegre compõe a Etapa Sul do projeto comtemplado pelo Rumos Itaú Cultural de 2018. A apresentação de Poeira na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186) será gratuita com senhas distribuidas uma hora antes. E por sua vez, estará dentro da programação "Terreira da Tribo – Eu Apoio", uma campanha de apoio coletivo e permanente que a Tribo acaba de lançar na plataforma virtual da Benfeitoria como forma de manutenção deste espaço que completa 35
anos de existência na cidade de Porto Alegre (mais informações em www.benfeitoria.com/terreiradatribo).



Poeira é uma homenagem do Grupo Ninho de Teatro aos Mestres da Tradição Popular do Cariri que com sua generosidade compartilham os saberes os seus saberes e suas artes com simnplicidade e grandesa. Esta nova montagem do Grupo Ninho de Teatro foi criada a partir do material cênico gerado pelo experimento "Tributo aos Mestres" (resultado do projeto de pesquisa Memórias de Mestres – a mimeses corpórea dos Mestres da tradição popular do Cariri, que teve orientação do LumeTeatro – SP, através de Jesser de Souza e Carlos Simioni , e oficina de dramaturgia da cena com Miguel Rubio Zapata – Yuyachkani, Peru.
Vivemos tempos de grande diversidade cultural o que nos torna sujeitos com identidades hibridas. Com acesso ampliado a outras referências culturais deixamos por vezes de olhar para as nossas. Poeira conta através das memórias de Mestres Populares, traços de nossa identidade cultural, nossa terra-raiz e quais são as Poeiras que a compõe. O espetáculo tem a técnica da mimeses corpórea a base de criação e também os princípios do Grupo Yuyachkani, através do diretor Miguel Zapata.
O Cariri cearense é um território com presença ancestral com diversa representação de manifestações artísticas populares que se mantém vivas através da passagem de saberes-fazeres. Poeira nos conduz a terreiros e memorias ancestrais. É uma travessia! Conhecemos mais de nós através dos Mestres, bem como elementos fundantes de nossa identidade cultural! Num movimento de pertencimento ao nosso lugar-raiz!

Do que somos feitos? Ou do que precisamos para nos fazer (re)fazer? Da alegria, da tristeza, do amor, da dor? Somos terra, viemos dela e para ela voltaremos, somos saudades... Poeira é festa que documenta o prazer de se misturar e a alegria que se sente ao se encontrar mestres inspiradores, mestres de verdade “num sabe?!”...Pronto!



DRAMATURGIA, CRIAÇÃO E INTERPRETAÇÃO: Edceu Barboza, Elizieldon Dantas, Jânio Tavares, Joaquina Carlos, Monique Cardoso, Rita Cidade, Sâmia Oliveira e Zizi Telécio.

DIREÇÃO DE CENA: Edceu Barboza e Jesser de Souza

OFICINA DE DRAMATURGIA DA CENA: Miguel Rúbio Zapata (Yuyachkani - Peru)

OFICINA DE VOZ: Ernani Maletta

DIREÇÃO MUSICAL: Zabumbeiros Cariris

FIGURINO: Edceu Barboza

EXECUÇÃO DE FIGURINOS: Ateliê Art Costuras.

CENOGRAFIA: Grupo Ninho de Teatro.

ILUMINAÇÃO: Jânio Tavares e Elizieldon
Dantas.

DESIGNER GRÁFICO: Breno Ximenes.

PESQUISA: Laboratório de Pesquisa Teatral
2014 – Porto Iracema das Artes Escola de
Formação e Criação do Ceará.
FICHA