MEDEIA: DO MITO ATÉ MEDEIA VOZES | Jorge Arias

Fotos de Pedro Isaías Lucas Medeia é um dos grandes enigmas da literatura ou, talvez, da história. O primeiro enigma é se existiu uma Medeia, real e histórica, uma mulher de carne e ossos, sobre a qual foi construído um mito, uma lenda, como aconteceu com os heróis lendários de Troia, que realizaram grandes, difíceis e impossíveis façanhas, mas tiveram como base alguma realidade, de alguma forma existiram. Alguns aspectos negam o caráter puramente mítico da história: a viagem dos argonautas até a Cólquida na margem oriental do Mar Negro, em busca do velocino de ouro, está de acordo com as expedições comerciais dos gregos; as intrigas do palácio, como o exílio de Medeia em Corinto, têm uma cor de verdade; e, acima de tudo, a apaixonada controvérsia sobre se ela matou ou não seus filhos. Não se discute ou, ao menos, não é comum discutir o que faz ou não faz uma personagem de ficção.     O segundo enigma é o caráter dela. Medeia é neta de Hélio, sacerdotisa de Hécate, feiticeira, brux

TEM MÚSICA NA TABA! COM ZÉ DA TERREIRA

Nesta terça-feira, dia 23 de abril, às 20 horas, tem o Show Musical "A Fernando Machado apresenta: Paulinho Betanzo, Rafael Erê e Zé da Terreira", na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186), com entrada franca. O show traz clássicos da MPB de compositores como Noel Rosa, Nelson Cavaquinho, Paulo César Pinheiro, Cartola, João Gilberto e Adoriran Barboza. Tem Música na Taba! faz parte da programação “Terreira da Tribo Eu Apoio!” - que é uma campanha de financiamento coletivo e permanente para a manutenção do espaço cultural Terreira da Tribo, através de uma plataforma online. As pessoas interessadas em colaborar na campanha podem fazer uma assinatura mensal no link www.benfeitoria.com/terreiradatribo.




José Carlos Peixoto, o Zé da Terreira, personalidade do meio cultural de Porto Alegre, cantor e ator, nasceu em Rio Grande, em 1945. Em 1969 estudou no Departamento de Arte Dramática da UFGRS. Foi para o Rio de Janeiro em 1970, participou do Festival Universitário de Música Brasileira e do elenco da primeira montagem da ópera-rock Hair. Depois de atuar em diferentes encenações do teatro profissional carioca, Zé da Terreira participou do grupo Tá Na Rua, dirigido por Amir Haddad. Em 1984, de volta a Porto Alegre, participa do início do teatro de rua da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz. Com a Tribo encenou “A Exceção e a Regra”, de Bertolt Brecht. Desde então vem atuando como cantor e ator na cidade. Montou os shows “Césio 137”, “Tiro ao Álvaro” e “África-Brasil, entre outros. Em 2000, recebeu da Câmara Municipal de Porto Alegre o Prêmio Qorpo Santo pelos inúmeros serviços prestados à cultura local. Em 2002, lança o CD “Quem Tem Boca é Pra Cantar”. E em 2009 o prêmio do IPHAN – Personagens do Centro de POA. Atualmente , Zé atua na peça solo “Cartagena”.