A Missão - Lembrança de uma Revolução

A Revolução Possível Revista Aplauso/ 2007 Crítica de Fábio Prikladnicki
(Fotos Cisco Vasques)



De um espetáculo do tipo “teatro de vivência" da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz se espera muitas coisas, sendo uma delas a utilização de uma narrativa descontÍnua, fazendo com que o espectador se pergunte, a cada cena, "O que está acontecendo". Assim também é em A Missão (Lembrança de uma Revolução), do dramaturgo alemão Heiner Muller (1929-1995), que faz novatemporada no final de marco, na Terreira da Tribo, em PortoAlegre, depois de ter estreado em novembrode 2006. Aocontrário de outros trabalhos, nesse não se opera nenhumtipo de colagem textual: a marca do Ói Nóis está essencialmentena encenação. O que não é pouca coisa. Escrito em 1979, o texto parece, ainda hoje, vanguardista e ousado. Não apenas porque Muller é um dos maiores dramaturgos pós-modernos. Nem apenas porque sua produção, escrita em plena Alemanha comunista, tenha mantido vitalidade mesmo depois da queda d…

TEM MÚSICA NA TABA! COM ZÉ DA TERREIRA

Nesta terça-feira, dia 23 de abril, às 20 horas, tem o Show Musical "A Fernando Machado apresenta: Paulinho Betanzo, Rafael Erê e Zé da Terreira", na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186), com entrada franca. O show traz clássicos da MPB de compositores como Noel Rosa, Nelson Cavaquinho, Paulo César Pinheiro, Cartola, João Gilberto e Adoriran Barboza. Tem Música na Taba! faz parte da programação “Terreira da Tribo Eu Apoio!” - que é uma campanha de financiamento coletivo e permanente para a manutenção do espaço cultural Terreira da Tribo, através de uma plataforma online. As pessoas interessadas em colaborar na campanha podem fazer uma assinatura mensal no link www.benfeitoria.com/terreiradatribo.




José Carlos Peixoto, o Zé da Terreira, personalidade do meio cultural de Porto Alegre, cantor e ator, nasceu em Rio Grande, em 1945. Em 1969 estudou no Departamento de Arte Dramática da UFGRS. Foi para o Rio de Janeiro em 1970, participou do Festival Universitário de Música Brasileira e do elenco da primeira montagem da ópera-rock Hair. Depois de atuar em diferentes encenações do teatro profissional carioca, Zé da Terreira participou do grupo Tá Na Rua, dirigido por Amir Haddad. Em 1984, de volta a Porto Alegre, participa do início do teatro de rua da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz. Com a Tribo encenou “A Exceção e a Regra”, de Bertolt Brecht. Desde então vem atuando como cantor e ator na cidade. Montou os shows “Césio 137”, “Tiro ao Álvaro” e “África-Brasil, entre outros. Em 2000, recebeu da Câmara Municipal de Porto Alegre o Prêmio Qorpo Santo pelos inúmeros serviços prestados à cultura local. Em 2002, lança o CD “Quem Tem Boca é Pra Cantar”. E em 2009 o prêmio do IPHAN – Personagens do Centro de POA. Atualmente , Zé atua na peça solo “Cartagena”.