Artistas na Rua Fora Bolsonaro - Porque derrubá-lo é Urgente!

 Culuna de Tânia Farias em Brasil de Fato . Ato Fora Bolsonaro em Porto Alegre: "Há muitas ações sendo gestadas, não sairemos das ruas enquanto não derrubarmos o genocida do poder" - Foto: Mari Martinez A clareza de que Bolsonaro hoje é mais letal que o vírus fez com que perdessem o medo "É preciso estancar essa sangria!!! Um homem sem juízo e sem noção não pode governar essa nação!" Essas são algumas das frases da canção de Zeca Baleiro, entoada pelo movimento Artistas pelo Impeachment, que reúne artistas de todo o país. O clipe “Desgoverno” tem claramente incomodado os ainda apoiadores do governo genocida e corrupto de Bolsonaro, Mourão e os militares. A população, atingida pelo descaso e pela fome, tem saído as ruas. A clareza de que Bolsonaro hoje é mais letal que o vírus fez com que perdessem o medo. Nesse caldo e ação estamos também nós, os artistas e trabalhadores da cultura

“VIRAL” NA TERREIRA DA TRIBO DIA 30 DE ABRIL – ÀS 20 HORAS ENTRADA FRANCA

 

A dramaturgia original de "Viral", escrita por Daniel Colin, apresenta cenas avulsas sobre duas famílias que vão, pouco a pouco, se entrecruzando na narrativa do espetáculo. O texto é verborrágico, irônico, mordaz e perverso, cujas ideias - do dramaturgo e das personagens - alastram-se e disseminam-se como vírus a contaminar a quem as escuta. Daniel Colin elabora a dramaturgia original e interpreta mais de 10 personagens neste trabalho solo, com direção do próprio em parceria com Denis Gosch.



 Ficha Técnica

Direção e argumento de texto: Daniel Colin e Denis Gosch
Dramaturgia: Daniel Colin
Supervisão de dramaturgia: Felipe Vieira de Galisteo
Assistente de direção: Juliana Kersting
Atuação: Daniel Colin
Iluminação: Claudia de Bem
Video design: Thais Fernandes
Figurino: Daniel Colin
Sonoplastia: Daniel Colin e Denis Gosch
Design gráfico: Ricardo Zigomático
Fotos: Claudio Etges
Produção: Daniel Colin
Realização: Teatro Sarcáustico

Saiba Mais Sobre o Teatro Sarcáustico
O Teatro Sarcáustico foi fundado em 2004 por formandos do curso de Artes Cênicas da UFRGS. Nestes 15 anos de trabalho continuado, o grupo desenvolveu uma linguagem e estética próprias, desenvolvidas tanto nos trabalhos profissionais quanto nos projetos pedagógicos ministrados pelos artistas-professores. O Sarcáustico criou espetáculos ousados e impactantes como os sucessos Wonderland e o que M. Jackson encontrou por lá (Prêmios Açorianos e Braskem em Cena de Melhor Espetáculo e Direção, dentre outros) e Breves Entrevistas com Homens Hediondos (Prêmio Braskem em Cena de Melhor Espetáculo). A pesquisa continuada em artes cênicas do grupo vem se especializando através de espetáculos realizados em espaços não-convencionais, com dramaturgias originais e atmosferas performáticas. O repertório do Sarcáustico conta atualmente com cinco espetáculos adultos, dois infantis, um projeto de performances urbanas e um performance audiovisual-transmídia.