TERREIRA DA TRIBO 37 ANOS DE (R)EXISTÊNCIA

Artigo publicado no Correio do Povo em 11 de setembro de 2021. Fotos de Pedro Isaias Lucas.     No dia 14 de julho de 1984 a Terreira da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz abria as suas portas para o público. Com um show de rock-punk que reuniu as bandas Replicantes e Urubu Rei, entre outras. Logo em seguida o Ói Nóis Aqui Traveiz encenou na nova casa “A Visita do Presidenciável ou Os Morcegos estão Comendo os Abacates Maduros”, uma parábola sobre o momento político que o Brasil vivia, com a saída dos militares de cena e a entrada de um governo civil. E anunciava para toda cidade “...todas as pessoas gostam de cantar, dançar, representar, pintar, fotografar. Qualquer pessoa é capaz de criar e a Terreira da Tribo está aí para isso”. E nesses 37 anos de atividades a Terreira da Tribo abrigou as mais diversas manifestações culturais como espetáculos de teatro, shows musicais, ciclos de filmes e vídeos, seminários, debates, performances e celebrações. Hoje a Terreira é reco

FRIDA KAHLO – À REVOLUÇÃO! NA TERREIRA DA TRIBO


Nesta terça-feira, dia 14 de abril, às 20 horas, tem apresentação teatral de “Frida Kahlo – À Revolução!” com Juçara Gaspar, na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186), com entrada franca. A criação teatral faz parte da programação “Terreira da Tribo Eu Apoio!” - que é uma campanha de financiamento coletivo e permanente para a manutenção do espaço cultural Terreira da Tribo, através de uma plataforma online. As pessoas interessadas em colaborar na campanha podem fazer uma assinatura mensal no link www.benfeitoria.com/terreiradatribo.



Frida Kahlo, à Revolução! chega ao nono ano de apresentações. É inspirada livremente na vida e obra da poderosa pintora mexicana. Com texto inédito e trilha sonora original executada ao vivo, a artista e suas pinturas nos conduzem por esta redescoberta ética e estética, focada no princípio revolucionário da arte como denúncia solidária. A dramaturgia concentra-se nos aspectos humanos da personagem para construir um espetáculo que faça emergir o que pode transcender a condição de mito. Cada vez mais a vida e obra da poderosa pintora mexicana incita e sugere a abordagem de temas que precisam ser incentivados, tais como o protagonismo feminino, a acessibilidade e inclusão, a liberdade artística e a denúncia a uma sociedade machista e patriarcal. A acolhida deste trabalho pelo público nos mostra que as aspirações de Frida estão em consonância com as questões contemporâneas e necessárias. A encenação tem direção de Daniel Colin, atuação e dramaturgia de Juçara Gaspar e Trilha Sonora ao vivo de Luciano Alves.