A Missão - Lembrança de uma Revolução

A Revolução Possível Revista Aplauso/ 2007 Crítica de Fábio Prikladnicki
(Fotos Cisco Vasques)



De um espetáculo do tipo “teatro de vivência" da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz se espera muitas coisas, sendo uma delas a utilização de uma narrativa descontÍnua, fazendo com que o espectador se pergunte, a cada cena, "O que está acontecendo". Assim também é em A Missão (Lembrança de uma Revolução), do dramaturgo alemão Heiner Muller (1929-1995), que faz novatemporada no final de marco, na Terreira da Tribo, em PortoAlegre, depois de ter estreado em novembrode 2006. Aocontrário de outros trabalhos, nesse não se opera nenhumtipo de colagem textual: a marca do Ói Nóis está essencialmentena encenação. O que não é pouca coisa. Escrito em 1979, o texto parece, ainda hoje, vanguardista e ousado. Não apenas porque Muller é um dos maiores dramaturgos pós-modernos. Nem apenas porque sua produção, escrita em plena Alemanha comunista, tenha mantido vitalidade mesmo depois da queda d…

FRIDA KAHLO – À REVOLUÇÃO! NA TERREIRA DA TRIBO


Nesta terça-feira, dia 14 de abril, às 20 horas, tem apresentação teatral de “Frida Kahlo – À Revolução!” com Juçara Gaspar, na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186), com entrada franca. A criação teatral faz parte da programação “Terreira da Tribo Eu Apoio!” - que é uma campanha de financiamento coletivo e permanente para a manutenção do espaço cultural Terreira da Tribo, através de uma plataforma online. As pessoas interessadas em colaborar na campanha podem fazer uma assinatura mensal no link www.benfeitoria.com/terreiradatribo.



Frida Kahlo, à Revolução! chega ao nono ano de apresentações. É inspirada livremente na vida e obra da poderosa pintora mexicana. Com texto inédito e trilha sonora original executada ao vivo, a artista e suas pinturas nos conduzem por esta redescoberta ética e estética, focada no princípio revolucionário da arte como denúncia solidária. A dramaturgia concentra-se nos aspectos humanos da personagem para construir um espetáculo que faça emergir o que pode transcender a condição de mito. Cada vez mais a vida e obra da poderosa pintora mexicana incita e sugere a abordagem de temas que precisam ser incentivados, tais como o protagonismo feminino, a acessibilidade e inclusão, a liberdade artística e a denúncia a uma sociedade machista e patriarcal. A acolhida deste trabalho pelo público nos mostra que as aspirações de Frida estão em consonância com as questões contemporâneas e necessárias. A encenação tem direção de Daniel Colin, atuação e dramaturgia de Juçara Gaspar e Trilha Sonora ao vivo de Luciano Alves.