Anti-heroína de Pindaíba

Antônio Hohlfeldt (Jornal do Comércio18 de abril de 1997)
Fotos de Adriana Franciosi
Ao completar 19 anos de vida, traída pela Administração Popular que se nega a dar qualquer apoio à  idéia de sua permanência no local em que fez história na cidade, nem por isso a trupe de atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz perde sua fleuma e sua força. Aniversário se faz com festa e festa, para um grupo de teatro, é representar. Foi o que fez o Ói Nóis..., estreando seu novo espetáculo de teatro de rua, A Heroína de Pindaíba.
   Trata-se da adaptação de uma peça de Augusto Boal, dos tempos do seu exílio na Argentina (1975), originalmente intitulada O homem que era uma fábrica. O texto original era uma fábula e, apesar ou justamente por causa das adaptações sofridas, mais fábula e mais farsa ficou ainda o espetáculo que conta a história de Matilda Silva da Silva (o povo brasileiro) que sonha emigrar para os Estados Unidos, deixando Pindaíba (Brasil). Para tanto, e após passar por um sem-número de exigências…

MEDEIA VOZES VOLTA À CENA

A criação coletiva multipremiada “Medeia Vozes” da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz reestreia no dia 29 de julho, às 19:30 horas, na Terreira da Tribo, para uma curta temporada, segundas e terças-feiras, até o dia 20 de agosto. Ingressos antecipados na plataforma sympla.com a R$ 60,00 e R$ 30,00 (estudantes, classe artística e pessoas com mais de 60 anos). “Medeia Vozes” tem apoio da TVE e FM Cultura.

 
Foto Pedro Isaias Lucas
 
Criada em 2013, “Medeia Vozes”, inspirada no romance homônimo de Christa Wolf, traz para o público um espetáculo multicultural que investiga o teatro ritual de origem artaudiana e a performance contemporânea. O Ói Nóis Aqui Traveiz faz uma releitura do mito, desconstruindo o modelo euripidiano, apresentando Medeia como uma mulher de conhecimento e de atitude que se contrapõe ao poder estabelecido. É através do olhar feminino da personagem que o público vai desvelar a sociedade patriarcal e beligerante que exclui a mulher e o estrangeiro. Medeia é transformada em bode expiatório numa sociedade de vítimas, com a falsa acusação de assassinato dos filhos, prisão e banimento. A encenação forma uma obra polifônica, somam-se vozes de mulheres como as revolucionárias alemãs Rosa Luxemburgo e Ulrike Meinhof, a somali Waris Diriiye, a indiana Phoolan Devi e a boliviana Domitila Chungara, que enfrentaram de diferentes maneiras a sociedade patriarcal em várias partes do mundo. Os espectadores inseridos no espaço cênico em contato direto com a ação, são mobilizados na sua afetividade. Não interessa a compreensão linear do espetáculo, mas propor uma visão explodida, fragmentada, com diversificação dos planos e simultaneidade da ação. A reconstituição dos fatos é deixada à iniciativa de cada um. “Medeia Vozes” investe na ideia de encontro potencialmente transformador de todos os participantes. “Medeia Vozes” recebeu a grande maioria dos prêmios concedido ao teatro gaúcho (Açorianos de melhor espetáculo, melhor atriz para Tânia Farias, direção, cenografia, iluminação, trilha original para Johann Alex de Souza, dramaturgia e produção, e Prêmio de Melhor Espetáculo pela Escola de Espectadores), também realizou temporada em São Paulo, Arco Verde em Pernambuco e Crato no Ceará.