Denúncia atualizada de Heiner Muller

Antônio Holfeldt (Jornal do Comércio, 13 de Agosto de 1999) Fotos de Claudio Etges
A estreia de Hamlet Máquina, do dramaturgo alemão contemporâneo Heiner Müller, pelo grupo Ói Nóis Aqui Traveiz, é um acontecimento verdadeiramente ambíguo. A ambiguidade nasce do fato de a montagem desta peça, que consagrou e projetou internacionalmente o dramaturgo da Antiga Alemanha Popular, ser, por certo, uma feliz oportunidade para nosso teatro, mas, por outro lado, comemorando os quinze de localização da Terreira da Tribo, espaço cênico onde o Ói Nóis Aqui Traveiz desenvolve suas pesquisas e interferências na cidade, constitui-se também em seu canto de cisne: ao final de agosto, interrompendo a sua temporada, a Terreira da Tribo fechará suas portas e o Ói Nóis Aqui Traveiz estará na rua, motivado, dentre outras coisas, pela decisão (ambígua) da Prefeitura Municipal de Porto Alegre em se negar a dar qualquer apoio ao grupo.
A ambiguidade é mais significativa, se formos capazes de fazer a correta leitu…

TRIBO DE ATUADORES ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ HOMENAGEADA EM GOIÂNIA

A Mostra Teatral Desaguar traz cultura popular brasileira para o centro do palco. A programação celebra o Grupo Tradicional Goiano de Folia de Santos Reis Capitão Olidio e homenageia os 41 anos de trabalhos cênicos do Grupo Teatral de projeção nacional Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, como inspiradores para a formação dos jovens artistas goianos e seus grupos teatrais. A atuadora Tânia Farias estará presente apresentando a Desmontagem Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência, no dia 30 de outubro, às 19 horas, no Teatro do SESC/Centro, em Goiânia. 



 A Idealizadora e Produtora Executiva do projeto, Silvana Martins (em arte: Silvana D'Lacoc), vê a programação como uma grande oportunidade para que artistas e público resgatem o prazer de entrar em contato com a essência do teatro nacional. "O teatro é um encontro humano entre as diversidades. Idealizar e realizar esse projeto em muitas mãos e sonhos é uma oportunidade ímpar de celebrar as identidades e manifestações culturais populares de nossa região goiana, como a Folia de Reis. É uma honra somar força com o diálogo artístico de outras potências e resistências teatrais do Brasil, como Tânia Farias e a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz. Viva a Arte Brasileira! Viva nosso Teatro Brasileiro!", celebra.
Na Desmontagem “Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência” a atuadora Tânia Farias revisita os processos de criação de quatro personagens criadas em diferentes momentos, entre 1999 a 2011: a Sophia de 'Viúvas', o Sasportas de 'A Missão', a Kassandra de 'Aos Que Virão Depois de Nós' e a Ofélia de “Hamlet Máquina”. Entre falas e ações a Desmontagem de Tânia Farias propõe um mergulho no fazer teatral onde o trabalho autoral da atriz condensa um ato real com um ato simbólico, provocando experiências que dissolvam os limites entre arte e vida e ao mesmo tempo potencializem a reflexão e o autoconhecimento. Uma desmontagem vai além de uma demonstração técnica; é uma demonstração afetiva do trabalho da atriz/ator. Hoje, no Brasil, a ideia de desmontagem vem sendo debatida, e o Ói Nóis Aqui Traveiz é um dos condutores. “Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência” já circulou por diversas cidades do país e foi perfomatizada em Cuba, na Argentina e Portugal.