DUAS CARTAS PARA MEIERHOLD (Continuação)

  Caríssimo Meyerhold, Desculpe a formalidade, mas ela deve-se ao fato de ter te conhecido há pouco tempo, apesar de já fazer praticamente 1 ano (ou seria mais?) desde que fui convidada pelo Henrique Saidel a ver a encenação de um texto criado pelo dramaturgo argentino Eduardo Pavlovsky que mistura sua trajetória com os desassossegos vividos por ti no cárcere. Ao lembrar daquela noite muitas sensações e sentimentos se misturam, há pouco havia me mudado para Porto Alegre, era a primeira vez no espaço Terreira da Tribo e que via a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz em um espaço fechado. Mergulhar no seu imaginário criativo naquele momento acompanhava novas aberturas no meu próprio cárcere privado que constantemente é renovado pelo nomadismo voluntário que me impulsiona a viver em constante revolução cultural, estética e política por esse Brasil.     No entanto, me sinto um pouco envergonhada de ter te conhecido tão tardiamente e esta ser a primeira vez que te escrevo. Sint

CINECLUBE DA TERREIRA DA TRIBO COM ENTRADA FRANCA

Nos dias 25 e 26 de novembro, o CineClube da Terreira da Tribo exibe dois filmes da pernambucana Tuca Siqueira - “A Mesa Vermelha”, na segunda-feira, e “Amores de Chumbo”, na terça-feira, às 20 horas, com entrada franca, na Terreira da Tribo (rua Santos Dumont 1186). As exibições fazem parte da campanha TERREIRA DA TRIBO EU APOIO!

 “Terreira da Tribo – Eu Apoio!” é uma campanha de apoio coletivo e permanente que a Tribo lançou na plataforma virtual da Benfeitoria como forma de manutenção do espaço da Terreira que completou 35 anos de existência na cidade de Porto Alegre. Mais informações em www.benfeitoria.com/terreiradatribo.

 

A Mesa Vermelha”, documentário, exibe depoimentos de 23 ex presos políticos no período da ditadura militar no Recife entre 1969, com a promulgação do AI 5, e 1979, com o advento da Lei da Anistia. Acompanha este documentário o debate entre os participantes,ao redor de uma mesa vermelha,sobre temas relacionados ao período da ditadura passando pelo golpe de 64, pela guerrilha do Araguaia, pela luta dentro das prisões em prol da anistia ampla, geral e irrestrita até a conjuntura atual. A Mesa Vermelha é fruto do Projeto Marcas da Memória da Comissão de Anistia do Ministério da Justiça em parceria com o Movimento Tortura Nunca Mais de Pernambuco, idealizado e coordenado pelas também ex presas políticas Yara Falcon e Lilia Gondim.



 


Em “Amores de Chumbo”, ficção com Aderbal Freire Filho, Juliana Carneira e Augusta Ferraz, quarenta anos separam Maria Eugênia, escritora pernambucana radicada na França, do casal Miguel e Lúcia, que acabam de comemorar quatro décadas de união. O retorno de Maria Eugênia suscita dúvidas e desconfianças há muito tempo guardadas. Partindo do ponto de vista desses três personagens, se revive o momento político e social da época de chumbo da ditadura militar no Brasil —uma história que mudou o rumo de muitas vidas.



Tuca Siqueira é roteirista e diretora, vive e trabalha em Recife. É formada em comunicação pela Universidade Federal de Pernambuco e tem especialização em estudos cinematográficos pela Universidade Católica de Pernambuco.