TRIBO DE ATUADORES ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ 44 ANOS [PARTE 19]

“Se Não Tem Pão, Comam Bolo!” tem por referência a célebre frase da rainha da França, Maria Antonieta,quando no princípio da Revolução Francesa, pressionada em seu próprio palácio pelo povo que pedia pão, pateticamente perguntou por que não comiam brioches. Encenação popular, esta fábula política recorre ao fato histórico para falar de problemas cotidianos que afligem a maioria dos brasileiros: a fome, a opressão, os desmandos do poder e a corrupção dos políticos. Os personagens são saltimbancos contadores de histórias, que de uma forma satírica e divertida cantam para o povo, nas ruas, o que a sociedade burguesa procura esconder: a luta de classes. 
    “SE NÃO TEM PÃO, COMAM BOLO!” Roteiro e direção : criação coletiva Figurinos : Arlete Cunha Adereços : Zau Figueiredo Música : Rogério Lauda Elenco : Arlete Cunha, Kike Barbosa, Rogério Lauda e Sandra Possani Intérprete em substituição : Vera Parenza Estreia : 14 de fevereiro de 1993 (Espetáculo de rua) TERREIRA DA TRIBO EU APOIO! Você

TEATRO RITUAL OFICINA COM A TRIBO DE ATUADORES ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ

A Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo abre inscrições para a Oficina de Teatro Ritual (Módulo III) com a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz. A Oficina é aberta e gratuita para atrizes, atores, pesquisadores e estudantes de artes cênicas, e acontecerá de 13 de janeiro a 26 de março de 2020, de segundas a quintas-feiras, das 9 às 13 horas, na Terreira da Tribo. As inscrições são presenciais na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186 - fone 3028 1358), de 10 a13 de dezembro, das 9 às 13 horas.

Antigona - Ritos de Paixão e Morte | Foto Claudio Etges

A Oficina de Teatro Ritual investigará os recursos expressivos do ator a partir do treinamento sobre as ações físicas. Tendo como base o pensamento de Antonin Artaud e o trabalho prático de Stanislavsky, Meierhold, Grotowski e Eugenio Barba. Nesta vivência serão trabalhados o movimento e a voz para a ampliação do corpo do ator e a ocupação do espaço teatral. A ênfase é colocada na corporalidade (em como perceber o próprio corpo) e na concentração (para perceber o outro) para que através de ações físicas não-cotidianas o ator desenvolva presença cênica. Os encontros promoverão condições favoráveis ao desenvolvimento da criatividade espontânea e expressiva, crítica e ressignificante do corpo, a partir da organização de uma vivência teatral de grupo. Ativará padrões não-cotidianos de comunicação a partir de signos teatrais específicos, com ênfase na pesquisa de sons e movimentos expressivos, próprios para a estilização de ações, gestos, cantos e danças.
As ações físicas ou o gesto orgânico é meio privilegiado para encontrar o fluxo de vida do ator. A potência transformadora evocada por meio do Teatro Ritual gera momentos de máxima intensidade que rompem com nosso modo usual de perceber, entender e agir no mundo. No Teatro Ritual entra-se em outra dimensão de tempo e espaço, fora do tempo cotidiano, instaurando no público uma dilatação da sua percepção. O Teatro de Vivência da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz procura uma forma de relação aberta e sincera com o público, em que atores e espectadores partilhem de uma experiência comum, que tenha a intensidade de um acontecimento, capaz de produzir novas formas de percepção da realidade.

Medeia Vozes | Foto Pedro Isaias Lucas


A Terreira da Tribo acredita na importância da função social do artista, e pretende que essa formação favoreça a emergência do artista competente não apenas no seu ofício, mas também preocupado com o seu desempenho como cidadão. A Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo dentro da sua proposta de trabalho realiza anualmente seminários, ciclos de debates e oficinas de iniciação teatral, formação, pesquisa de linguagem e treinamento do ator.