MEDEIA: DO MITO ATÉ MEDEIA VOZES | Jorge Arias

Fotos de Pedro Isaías Lucas Medeia é um dos grandes enigmas da literatura ou, talvez, da história. O primeiro enigma é se existiu uma Medeia, real e histórica, uma mulher de carne e ossos, sobre a qual foi construído um mito, uma lenda, como aconteceu com os heróis lendários de Troia, que realizaram grandes, difíceis e impossíveis façanhas, mas tiveram como base alguma realidade, de alguma forma existiram. Alguns aspectos negam o caráter puramente mítico da história: a viagem dos argonautas até a Cólquida na margem oriental do Mar Negro, em busca do velocino de ouro, está de acordo com as expedições comerciais dos gregos; as intrigas do palácio, como o exílio de Medeia em Corinto, têm uma cor de verdade; e, acima de tudo, a apaixonada controvérsia sobre se ela matou ou não seus filhos. Não se discute ou, ao menos, não é comum discutir o que faz ou não faz uma personagem de ficção.     O segundo enigma é o caráter dela. Medeia é neta de Hélio, sacerdotisa de Hécate, feiticeira, brux

ÚLTIMOS DIAS DE INSCRIÇÕES - TEATRO RITUAL

A Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo abre inscrições para a Oficina de Teatro Ritual (Módulo III) com a Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz. A Oficina é aberta e gratuita para atrizes, atores, pesquisadores e estudantes de artes cênicas, e acontecerá de 13 de janeiro a 26 de março de 2020, de segundas a quintas-feiras, das 9 às 13 horas, na Terreira da Tribo. As inscrições são presenciais na Terreira da Tribo (Rua Santos Dumont, 1186 - fone 3028 1358), de 10 a13 de dezembro, das 9 às 13 horas.



A Oficina de Teatro Ritual investigará os recursos expressivos do ator a partir do treinamento sobre as ações físicas. Tendo como base o pensamento de Antonin Artaud e o trabalho prático de Stanislavsky, Meierhold, Grotowski e Eugenio Barba. Nesta vivência serão trabalhados o movimento e a voz para a ampliação do corpo do ator e a ocupação do espaço teatral. A ênfase é colocada na corporalidade (em como perceber o próprio corpo) e na concentração (para perceber o outro) para que através de ações físicas não-cotidianas o ator desenvolva presença cênica. Os encontros promoverão condições favoráveis ao desenvolvimento da criatividade espontânea e expressiva, crítica e ressignificante do corpo, a partir da organização de uma vivência teatral de grupo. Ativará padrões não-cotidianos de comunicação a partir de signos teatrais específicos, com ênfase na pesquisa de sons e movimentos expressivos, próprios para a estilização de ações, gestos, cantos e danças.
As ações físicas ou o gesto orgânico é meio privilegiado para encontrar o fluxo de vida do ator. A potência transformadora evocada por meio do Teatro Ritual gera momentos de máxima intensidade que rompem com nosso modo usual de perceber, entender e agir no mundo. No Teatro Ritual entra-se em outra dimensão de tempo e espaço, fora do tempo cotidiano, instaurando no público uma dilatação da sua percepção. O Teatro de Vivência da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz procura uma forma de relação aberta e sincera com o público, em que atores e espectadores partilhem de uma experiência comum, que tenha a intensidade de um acontecimento, capaz de produzir novas formas de percepção da realidade.

A Terreira da Tribo acredita na importância da função social do artista, e pretende que essa formação favoreça a emergência do artista competente não apenas no seu ofício, mas também preocupado com o seu desempenho como cidadão. A Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo dentro da sua proposta de trabalho realiza anualmente seminários, ciclos de debates e oficinas de iniciação teatral, formação, pesquisa de linguagem e treinamento do ator