TERREIRA DA TRIBO 37 ANOS DE (R)EXISTÊNCIA

Artigo publicado no Correio do Povo em 11 de setembro de 2021. Fotos de Pedro Isaias Lucas.     No dia 14 de julho de 1984 a Terreira da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz abria as suas portas para o público. Com um show de rock-punk que reuniu as bandas Replicantes e Urubu Rei, entre outras. Logo em seguida o Ói Nóis Aqui Traveiz encenou na nova casa “A Visita do Presidenciável ou Os Morcegos estão Comendo os Abacates Maduros”, uma parábola sobre o momento político que o Brasil vivia, com a saída dos militares de cena e a entrada de um governo civil. E anunciava para toda cidade “...todas as pessoas gostam de cantar, dançar, representar, pintar, fotografar. Qualquer pessoa é capaz de criar e a Terreira da Tribo está aí para isso”. E nesses 37 anos de atividades a Terreira da Tribo abrigou as mais diversas manifestações culturais como espetáculos de teatro, shows musicais, ciclos de filmes e vídeos, seminários, debates, performances e celebrações. Hoje a Terreira é reco

O Ói Nóis Aqui Traveiz inicia o ano em São Paulo discutindo o fazer teatral na atualidade

Através do Sesc Carmo (SP) e do Itaú Cultural a atuadora Tânia Farias estará em São Paulo nas próximas semanas para debater sobre a construção teatral. Apresentando a Desmontagem Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência e com participação em rodas de conversas e oficinas de demonstração.

Foto: Pedro Isaias Lucas


Neste ano o Itaú Cultural apresenta pela segunda vez uma programação especial de espetáculos realizados por estudantes de todo o país. A convocatória A_ponte: cena do teatro universitário selecionou grupos vinculados a instituições de nível superior, escolas técnicas de nível médio e escolas independentes de teatro para compor uma mostra no instituto. A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz que participou no ano passado com o resultado de uma oficina em Petrolina, volta neste ano como grupo convidado apresentando a Desmontagem Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência na próxima sexta-feira dia 24/01.
Já o Sesc Carmo inicia 2020 apresentando uma programação que reúne oficinas, apresentações, bate-papos e reflexões em torno do conceito da desmontagem – prática teatral na qual se compartilham com o público os elementos que compuseram os processos criativos percorridos durante a construção de personagem, narrativas ou imagens do espetáculo. E dentro desta programação Ói Nóis Aqui Traveiz participará ao lado da Cia do Tijolo (SP) e Yuyachkani (Peru). Além da apresentação da desmontagem Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência que acontecerá no dia 30/01, a atuadora Tânia Farias facilitará a oficina “Ator, Presença e Rito” no dia 29/01 e participará de um debate “Conversa em Desmontagem” no dia 30/01.

Foto: Pedro Isaias Lucas


A desmontagem Evocando os Mortos – Poéticas da Experiência refaz o caminho do ato/atriz na criação de personagens emblemáticos da dramaturgia contemporânea. Constitui um olhar sobre as discussões de gênero, abordando a violência contra a mulher em suas variantes, questões que passaram a ocupar centralmente o trabalho de criação do grupo Ói Nóis Aqui Traveiz.
Desvelando os processos de criação de diferentes personagens, criadas entre 1999 e 2011, Tânia Farias deixa ver o quanto as suas vivências, pessoais e do coletivo Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz, atravessam os mecanismos de criação. Através da ativação da memória corporal, a atriz faz surgir e desaparecer as personagens, realizando uma espécie de ritual de evocação de seus mortos para compreensão dos desafios de fazer teatro nos dias de hoje.