Anti-heroína de Pindaíba

Antônio Hohlfeldt (Jornal do Comércio18 de abril de 1997)
Fotos de Adriana Franciosi
Ao completar 19 anos de vida, traída pela Administração Popular que se nega a dar qualquer apoio à  idéia de sua permanência no local em que fez história na cidade, nem por isso a trupe de atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz perde sua fleuma e sua força. Aniversário se faz com festa e festa, para um grupo de teatro, é representar. Foi o que fez o Ói Nóis..., estreando seu novo espetáculo de teatro de rua, A Heroína de Pindaíba.
   Trata-se da adaptação de uma peça de Augusto Boal, dos tempos do seu exílio na Argentina (1975), originalmente intitulada O homem que era uma fábrica. O texto original era uma fábula e, apesar ou justamente por causa das adaptações sofridas, mais fábula e mais farsa ficou ainda o espetáculo que conta a história de Matilda Silva da Silva (o povo brasileiro) que sonha emigrar para os Estados Unidos, deixando Pindaíba (Brasil). Para tanto, e após passar por um sem-número de exigências…

EM MAQUINÉ: Violeta Parra - Uma Atuadora! | 29/02



A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz celebra a sua performance Cênico Musical "Violeta Parra - Uma Atuadora!". Apresenta um repertório que mistura o andino com ritmos brasileiros na voz da atuadora Tânia Farias e do violonista e compositor Mário Falcão. Com esse viés mestiço a performance veste as canções deste ícone da arte da América do Sul. Violeta Parra, cantora e violonista desde criança, pesquisou ritmosm danças e canções populares, transformando-se em ponta de lança do movimento da "Nueva Canción" que projetou a música chilena no mundo. Conhecida no Nrasil principalmente pelas composições "Gracias a la vida" e "Volver a los 17", seu legado é inestimável para a música engajada latino-americana.
O coral Arai Hovy (Céu Azul) vai abrir a performance, apresentando músicas e danças do repertório tradicional Mbya Guarani. o coral é anfitrião do espaço, tendo suas raízes na Tekoa Ka'Aguy Porã.