DUAS CARTAS PARA MEYERHOLD

  Carta de Henrique Saidel   Fotos de Eugênio Barboza, Lucas Gheller e Pedro Isaias Lucas Porto Alegre, inverno de 2020 Querido Meyerhold, Escrevo esta carta como quem escreve algo de muito importante, como quem escreve algo que lhe causa um tanto de medo e hesitação, como alguém que deseja escrever coisas bonitas, coisas inesquecíveis, inteligentes, coisas revolucionárias, coisas que estejam à altura da tua arte, do teu teatro, da tua vida. Escrevo esta carta depois de ter escrito “Querido Meyerhold”, ali no topo da página, há vários dias e depois de ter ficado vários dias sem escrever mais nada, apenas olhando a página em branco e pensando em todas as coisas bonitas, inesquecíveis, inteligentes e revolucionárias que eu poderia dizer para você e a teu respeito. Escrevo esta carta mais de um ano depois de ter visto (duas vezes) a peça que o Ói Nóis Aqui Traveiz fez com você no título e como personagem, e mais de dezenove ou vinte anos depois de te ler pela primeira v

EM MAQUINÉ: Violeta Parra - Uma Atuadora! | 29/02



A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz celebra a sua performance Cênico Musical "Violeta Parra - Uma Atuadora!". Apresenta um repertório que mistura o andino com ritmos brasileiros na voz da atuadora Tânia Farias e do violonista e compositor Mário Falcão. Com esse viés mestiço a performance veste as canções deste ícone da arte da América do Sul. Violeta Parra, cantora e violonista desde criança, pesquisou ritmosm danças e canções populares, transformando-se em ponta de lança do movimento da "Nueva Canción" que projetou a música chilena no mundo. Conhecida no Nrasil principalmente pelas composições "Gracias a la vida" e "Volver a los 17", seu legado é inestimável para a música engajada latino-americana.
O coral Arai Hovy (Céu Azul) vai abrir a performance, apresentando músicas e danças do repertório tradicional Mbya Guarani. o coral é anfitrião do espaço, tendo suas raízes na Tekoa Ka'Aguy Porã.