Anti-heroína de Pindaíba

Antônio Hohlfeldt (Jornal do Comércio18 de abril de 1997)
Fotos de Adriana Franciosi
Ao completar 19 anos de vida, traída pela Administração Popular que se nega a dar qualquer apoio à  idéia de sua permanência no local em que fez história na cidade, nem por isso a trupe de atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz perde sua fleuma e sua força. Aniversário se faz com festa e festa, para um grupo de teatro, é representar. Foi o que fez o Ói Nóis..., estreando seu novo espetáculo de teatro de rua, A Heroína de Pindaíba.
   Trata-se da adaptação de uma peça de Augusto Boal, dos tempos do seu exílio na Argentina (1975), originalmente intitulada O homem que era uma fábrica. O texto original era uma fábula e, apesar ou justamente por causa das adaptações sofridas, mais fábula e mais farsa ficou ainda o espetáculo que conta a história de Matilda Silva da Silva (o povo brasileiro) que sonha emigrar para os Estados Unidos, deixando Pindaíba (Brasil). Para tanto, e após passar por um sem-número de exigências…

VOLTA O CINECLUBE DA TERREIRA DA TRIBO DIA 3 DE MARÇO COM “A TRANSMISSÃO DA FLOR”

Na terça-feira, dia 3 de março, o CineClube da Terreira da Tribo está de volta com a exibição do documentário “A Transmissão da Flor” dirigido por Mariana Rotili, às 20 horas, na Terreira da Tribo (rua Santos Dumont, 1186), com entrada franca. O CineClube terá programação todas as terças-feiras de março – no dia 10 com “Cinema de Animação:Mulheres fora do Eixo”, com filmes curtas metragens de diretoras de diferentes partes do país e curadoria de Maíra Coelho e Marina Kerber; no dia 17 com “Édipo Rei' (1967) de Pier Paolo Pasolini e no dia 24 com “A Paixão de Joana D'Arc”(1928) de Carl Theodor Dreyer. Após os filmes haverá sempre uma roda de conversa. O CineClube faz parte da programação “Terreira da Tribo Eu Apoio!” - que é uma campanha de financiamento coletivo e permanente para a manutenção do espaço cultural Terreira da Tribo, através de uma plataforma online. As pessoas interessadas em colaborar na campanha podem fazer uma assinatura mensal no link www.benfeitoria.com/terreiradatribo

 

‘A Transmissão da Flor: Teatro como Pesquisa e Pedagogias da Presença’(Florianópolis, 2019, cor, 47min) é um vestígio audiovisual do encontro de mesmo nome que reuniu pela primeira vez a atriz Tânia Farias da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz(Porto Alegre/RS) e o ator Carlos Simioni do LumeTeatro (Campinas-SP) para somarem suas experiências e conduzirem juntos um trabalho de pesquisa e criação cênica com um grupo de trinta artistas do corpo de diferentes lugares do país. Para além de registro de um acontecimento, o documentário é fonte de reflexão sobre o amor ao ofício da atuação e seus caminhos de transmissão. Depoimentos inspirados aliados ao olhar poético sobre o processo buscam partilhar as intensidades experimentadas por artistas que dedicam sua vida ao teatro.
Realizado através do edital de apoio às culturas da cidade de Florianópolis, o documentário é um dos desdobramentos do projeto que contou com residência artística, apresentação de espetáculos, mesa de conversa e performance realizada na Fortalezade São José da Ponta Grossa.Todas as atividades fazem parte da criação do ASA - Ateliê Sul de Atuação, coletivo de pesquisa contínua em atuação com foco no trabalho de presença cênica orientado porTânia Farias e composto por artistas dos três estados da região sul do Brasil.
Mariana Rotili é atriz, diretora, fotógrafa e artista audiovisual. Trabalha simultaneamente nas artes da cena - teatro, dança e performance - e nas artesvisuais.Seutrabalhoentrelaçacriações cênicas, vídeo e fotografia. Desde 2014temsededicadoàpesquisadotrabalhodeator com o LUME Teatro e em 2015fundouoColetivoMÓ,coordenadopelaatrizNaomiSilman e focado no aprofundamento dos potenciais expressivos e energéticos do ator. Fez
parte da concepção e criação do ASA - Ateliê Sul de Atuação, orientado por Tânia Farias e do qual é integrante.

Ficha Técnica :
Equipe Audiovisual
Direção: Mariana Rotili
Imagens: Rafaela Whitaker, Deiviane Velho, Fabiana Lazzari e Mariana Rotili
Drone: Michele Louise Schiochett
Edição e Montagem: Mariana Rotil