Anti-heroína de Pindaíba

Antônio Hohlfeldt (Jornal do Comércio18 de abril de 1997)
Fotos de Adriana Franciosi
Ao completar 19 anos de vida, traída pela Administração Popular que se nega a dar qualquer apoio à  idéia de sua permanência no local em que fez história na cidade, nem por isso a trupe de atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz perde sua fleuma e sua força. Aniversário se faz com festa e festa, para um grupo de teatro, é representar. Foi o que fez o Ói Nóis..., estreando seu novo espetáculo de teatro de rua, A Heroína de Pindaíba.
   Trata-se da adaptação de uma peça de Augusto Boal, dos tempos do seu exílio na Argentina (1975), originalmente intitulada O homem que era uma fábrica. O texto original era uma fábula e, apesar ou justamente por causa das adaptações sofridas, mais fábula e mais farsa ficou ainda o espetáculo que conta a história de Matilda Silva da Silva (o povo brasileiro) que sonha emigrar para os Estados Unidos, deixando Pindaíba (Brasil). Para tanto, e após passar por um sem-número de exigências…

MOSTRA ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ: JOGOS DE APRENDIZAGEM

Nesta segunda-feira, dia 16 de março acontece na Terreira da Tribo (rua Santos Dumont, 1186) a “Mostra Ói Nóis Aqui Traveiz: Jogos de Aprendizagem/2020”, às 20 horas, com entrada franca, com distribuição de senhas a partir das 19 horas. Nesta etapa serão apresentados os exercícios cênicos “As Alegres Meninas da Rua Quinze”, peça curta de Carlos Carvalho, e “Fragmento de Teatro I”, peça curta de Samuel Beckett. As duas peças mostram a solidão e a incomunicabilidade do ser humano no mundo contemporâneo, vivendo sem esperanças num lugar ilógico, inóspito, lúgubre e vazio. As cenas foram criadas pela Oficina Popular de Teatro da Cidade de Canoas, dentro da ação Teatro Como Instrumento de Discussão Social da Escola de Teatro Popular da Terreira da Tribo/Ponto de Cultura. Após a apresentação haverá uma roda de conversa sobre o Teatro de Carlos Carvalho e de Samuel Beckett conduzida pelo atuador Paulo Flores. A “Mostra Ói Nóis Aqui Traveiz: Jogos de Aprendizagem” leva à cena as montagens teatrais realizadas nas diferentes Oficinas da Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz.