Denúncia atualizada de Heiner Muller

Antônio Holfeldt (Jornal do Comércio, 13 de Agosto de 1999) Fotos de Claudio Etges
A estreia de Hamlet Máquina, do dramaturgo alemão contemporâneo Heiner Müller, pelo grupo Ói Nóis Aqui Traveiz, é um acontecimento verdadeiramente ambíguo. A ambiguidade nasce do fato de a montagem desta peça, que consagrou e projetou internacionalmente o dramaturgo da Antiga Alemanha Popular, ser, por certo, uma feliz oportunidade para nosso teatro, mas, por outro lado, comemorando os quinze de localização da Terreira da Tribo, espaço cênico onde o Ói Nóis Aqui Traveiz desenvolve suas pesquisas e interferências na cidade, constitui-se também em seu canto de cisne: ao final de agosto, interrompendo a sua temporada, a Terreira da Tribo fechará suas portas e o Ói Nóis Aqui Traveiz estará na rua, motivado, dentre outras coisas, pela decisão (ambígua) da Prefeitura Municipal de Porto Alegre em se negar a dar qualquer apoio ao grupo.
A ambiguidade é mais significativa, se formos capazes de fazer a correta leitu…

Outra vez o Rito! Outra vez nós “aqui”, no Rito!



Antonia Pereira Bezerra (Jornal do FIT/São José do Rio Preto - 16/07/2007)
Fotos de Claudio Etges



Ontem, 13 de julho de 2007, no Palco Petrobras, durante uma mesa redonda intitulada – Impermanência: dos processos de criação, Paulo Flores foi interrogado sobre o “lugar” do espectador em suas obras. Algumas horas depois fui “vivenciar” o impactante “drama” Aos que virão depois de Nós - Kassandra in Process, com a tribo de Atuadores Oi nós aqui Traveiz. A reposta do Diretor da Tribo, Paulo Flores, à questão do lugar do espectador, finalmente, se dissolveu no meu espírito, mas a “vivência” desse “lugar” nas instalações de uma fábrica desativada – o espaço Swift - me deixou marcas profundas, indeléveis. E é desse “lugar” que vou falar, que preciso falar. Ontem, como quem vai à missa ou como quem faz uma descida aos infernos em busca de uma revelação, eu adentrei os labirintos da História e, numa espécie de ritual iniciático, descobri uma das potentes fórmulas de fabricação dos grandes mitos, das grandes narrativas; descobri como esses mitos e essas grandes narrativas são erigidos e utilizados com fins de manipulação e de exercício do poder fálico desde os tempos imemoriais. Ao mesclar trechos de Eurípides, Albert Camus, George Orwell e Beckett ao texto de Christa Wolf, a Tribo de Atuadores fortalece mais ainda a desconstrução de um grande mito; derruba o argumento segundo o qual os gregos teriam motivos reais e legítimos para “invadir Tróia e dizimar seu povo”: Paris – filho de Heitor violando as leis de hospitalidade grega, raptou Helena, a mulher de Menelau. O enfraquecimento deste argumento se plurariza e se estende a outros contextos passados, presentes e futuros, pois o mecanismo dissecado e desvelado nas obras de Christa Wolf e da Tribo de Atuadores podem servir à compreensão da fabricação e articulação de qualquer guerra.  

 


Em aos que Virão Depois de Nós a clarividência e a consciência política de Kassandra, pouquíssimo explorada – para não dizer desprezada - na tragédia de Eurípides - são trabalhadas com uma intensidade e gravidade tamanha que chegam a tirar o chão do espectador, deixando-o quase que petrificado, em estado de estupor. Nesse rito cruel e doce, como não lembrar de Judith Malina, Julian Beck e o Living Theatre? Judith Malina, em particular, proclamava a tese, segundo a qual o mergulho profundo nas profundezas noturnas, dionisíacas do ser era perfeitamente compatível com o exercício da clareza de espírito, com a dimensão apolínea do logos, tão necessária à Polis. Como no Living Theatre, ontem Antonin Artaud e Erwin Piscator estavam de mãos dadas, no mesmo ritual e sob um mesmo templo. Não no templo de Delphos, mas num templo que Paulo Flores e a tribo de Atuadores arquitetaram, performaram... E por falar na arquitetura deste templo, como não levar cravados na retina e na alma, os odores, as cores e texturas obscuras daquele lugar? Um lugar que encanta, perde, entristece, exalta e desorienta o espectador. Um lugar onde a história, o mito é testemunhado, vivido de dentro, jamais assistido de fora. Percorrer esse lugar é tão fascinante e aterrador, quanto abandonar o corpo às vibrações sensíveis e agudas das canções que a Tribo entoa.
 



Em muitos momentos o espectador é arrebatado pelo rito e como que “possuído” se deixa levar pela dança. Ressalte-se, nesse espírito, a cena dos rituais de fertilidade, onde, num espaço estreito e à penumbra, mulheres seminuas, se abandonam ao exercício da sensualidade e evolvendo o espectador com seus inebriantes saques/vinhos o enfeitiça.... Dinisio, Lysios, Deus da Anarquia, destrutor da boa ordem cívica! Em muitos momentos, também e no mesmo ritual, somos chamados ao exercício da razão apolínea. Arrazoamos com Kassandra, acerca da sede de poder e da bestialidade dos homens. Aos que Virão Depois de Nós é uma fascinante lição de história sobre a fabricação de todas as guerras e suas estratégias. É um ritual que nos convida a exercer nossos contrários: Apolo e Dionísio. O Solar e o Lunar. O que dizer do jogo dos atores? De uma precisão “física”, de uma potência poética devastadora. O que dizer de Kassandra Tânia Faria? Essa atleta da alma cala qualquer voz. Enfraquece todo e qualquer argumento! ...Testemunhar as lágrimas que caem dos olhos de Kassandra Tânia Faria, como pérolas recém banidas de sua ostra concha/refúgio, para rolar no coração e no rosto do espectador!...Ver o corpo sem órgãos de Tânia Faria, o Jogo de Tânia Farias! ... O resto é silêncio! 

ÓI NÓIS AQUI TRAVEIZ
lança nova ação da Jornada Virtual!
A Tribo de Atuadores Ói Nóis Aqui Traveiz lança sua  virtual: "Poéticas de Ousadia e Ruptura
- Uma Jornada com o Ói Nóis Aqui Traveiz". Também lançará mais um episódio da Websérie "Terreira da Tribo - A Pedagogia do Ói Nóis Aqui Traveiz" na sexta dia 19 de junho. Sempre às 19h, no canal do Youtube do grupo (www.youtube.com/c/oinoisaquitraveiz) e replicadas na página do Facebook e no canal do IGTV do perfil no Instagram @oinoisaquitraveiz

O grupo ainda se coloca à disposição, neste intervalo de tempo, através de lives no seu perfil do Instagram, para conversar sobre os episódios passados e para introduzir os próximos. Sempre nas segundas-feiras às 19h.
Essas ações virtuais são uma realização da Associação dos Amigos da Terreira da Tribo e fazem parte do projeto Terreira da Tribo - Ponto de Cultura.